Publicidade
Cotidiano
CORRUPÇÃO

Michel Temer é gravado dando aval para pagamento de propina a Eduardo Cunha

Gravação foi feita pelos proprietários da JBS e consta em acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República 17/05/2017 às 19:20
Show temer
Michel Temer foi flagrado por delatores (Alan Santos/PR)
acritica.com Manaus (AM)

O presidente Michel Temer foi gravado pelos empresários Joesley e Wesley Batista, proprietários da empresa JBS, dando aval para uma propina que pagaria o silêncio do ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha.

A revelação foi feita em matéria do jornalista Lauro Jardim, publicada em primeira mão pelo jornal O Globo.  O material relatado pelo jornalista consta no acordo de delação premiada que os empresários , donos da maior produtora de proteína animal do planeta, fecharam com a Procuradoria-Geral da República.

Conforme a reportagem,  Temer indica, em conversa com os empresários, o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) para resolver um assunto da J&F (holding que controla a JBS). Em seguida, o deputado é filmado recebendo uma mala com R$ 500 mil, enviados por Joesley.  Segundo a matéria, o empresário contou a Temer que estava pagando propina a Eduardo Cunha e ao operador Lúcio Funaro uma mesada na prisão para ficarem calados. Ao ouvir, Temer responde: " Tem que manter isso, viu?".

Em seu depoimento aos procuradores, Joesley afirmou que não foi Temer quem determinou que a mesada fosse dada. Mas que o presidente tinha pleno conhecimento da ilegalidade. A gravação apresentada prova a alegação.

Entre o material entregue por Joesley à  PGR, também consta o acerto de um pagamento de R$ 2 milhões a Aécio Neves.  O acerto, conforme as gravações, foi feito no dia 24 de março deste ano,  no hotel Unique, em São Paulo. Na conversa, Aécio diz que o dinheiro seria o pagamento de seu advogado que o defenderia nas ações da Lava Jato. O dinheiro foi entregue nas mãos de um primo de Aécio Neves, Frederico Pacheco de Medeiros.

O dinheiro, segundo as investigações feitas pela PF, não foram para advogado algum. As malas foram repassadas para Mendherson Souza Lima, secretário parlamentar do senador Zeze Perrella (PMDB-MG).

Publicidade
Publicidade