Domingo, 23 de Fevereiro de 2020
Notícias

Ministro confirma preferência por nome do BNDES para cargo de novo superintendente da Suframa

Segundo ministro do MDIC, Armando Monteiro Neto, o novo superintendente da Suframa sairá dos quadros técnicos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), fato este anunciado no A CRÍTICA



1.gif De acordo com o ministro do MDIC, a preferência por um nome do BNDES tem a ver com a excelência de quadros do banco
03/03/2015 às 14:22

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro Neto, confirmou o que o jornal A CRÍTICA havia anunciado na edição do caderno especial dos 48 anos da Zona Franca de Manaus: o novo superintendente da Suframa sairá dos quadros técnicos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

“O nosso Ministério pretende encaminhar uma solução técnica para a Suframa (Superintendência da Zona Franca de Manaus) e esse processo haverá de ser concretizado nos próximos 30 dias”, declarou Armando Monteiro Neto.



De acordo com o ministro do MDIC, a preferência por um nome do BNDES tem a ver com a excelência de quadros do banco e porque também a instituição financeira está sob a jurisdição do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, “além de ser um banco voltado para o desenvolvimento”, justificou Armando Monteiro Neto.

Com decisão anunciada, portanto, nem permanecerá o superintendente interino, Gustavo Igrejas – o preferido dos empresários do distrito industrial, do governador José Melo e de parte da bancada de deputados federais e senadores do Amazonas no Congresso Nacional – nem Rebecca Garcia.

A escolha do nome da ex-deputada federal e da ex-candidata a vice-governadora do Amazonas nas eleições de 2014, Rebecca Garcia, vinha sendo incentivada pelo senador licenciado e ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga. 


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.