Publicidade
Cotidiano
PLANEJAMENTO

Ministro da Defesa vem ao Amazonas para tratar sobre segurança nas fronteiras

Visita de Raul Jungmann está prevista para quinta-feira (30), segundo o Comando Militar da Amazônia (CMA). Após massacre no sistema prisional do Amazonas, é a terceira visita do ministro ao Estado 27/03/2017 às 11:31 - Atualizado em 27/03/2017 às 11:31
Show raul
Ministro deve discutir plano de segurança da fronteira em Manaus (Foto: ABr)
Oswaldo Neto Manaus (AM)

Após visitas para tratar sobre a crise do sistema penitenciário, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, virá novamente ao Amazonas nesta quinta-feira (30). Segundo o Comando Militar da Amazônia (CMA), Jungmann deve tratar sobre o plano de segurança na fronteira do Estado, considerada pelas autoridades como área problemática por conta do tráfico de drogas. Em três meses, é a terceira vinda do ministro ao Estado.

De acordo com o Ministério da Defesa, a agenda do ministro ainda está sendo definida, no entanto, o órgão disse que Jungmann deve visitar postos de fronteira. Uma coletiva de imprensa também deve ser realizada no CMA. Não há informações sobre a vinda de outras autoridades.

O Ministério da Defesa ainda informou que mais detalhes sobre a agenda devem ser divulgados na quarta-feira (29).

Problemas

Em janeiro, Raul Jungmann esteve em Manaus para iniciar diálogo da defesa no combate aos crimes na fronteira. O diálogo reuniu comandantes das Forças Armadas do Brasil e Colômbia. Na ocasião, ele disse que é “impossível” resolver os problemas transfronteiriços sem contar com o apoio e cooperação dos países vizinhos.

O tema ganhou repercussão, ainda, por meio do Governo. No início do ano, o governador José Melo (Pros) anunciou a ideia do fechamento das fronteiras. Segundo ele, nas regiões fronteiriças, estão os países que produzem 93% da cocaína consumida no mundo. Ele também disse que sugeriu ao presidente Michel Temer a aplicação da Lei Complementar 97/99 que dá poder de polícia às Forças Armadas.

A ideia foi criticada por entidades e fóruns amazônicos, que dizem que a sugestão nada mais é do que a ‘criminalização’ e ‘militarização’ das fronteiras.

O secretário de segurança do Amazonas, Sérgio Fontes, destacou que a proteção das fronteiras é essencial para a redução da criminalidade no Estado. Segundo ele, os índicos do Amazonas giram em torno do tráfico internacional de entorpecentes.

Publicidade
Publicidade