Sexta-feira, 15 de Novembro de 2019
Notícias

Ministro quer que TSE decida sobre validade de lista tríplice no Tribunal Regional do Amazonas

Ministro Luiz Fux fez consulta ao presidente do TSE para ver se a corte pode chamar para si a responsabilidade de julgar se é válida a eleição secreta realizada pelo TJ-AM que escolheu três nomes para vaga no TRE



1.jpg Délcio Santos (ao centro) e os advogados Marcelo Amaral e Felipe Thury compõe a lista
21/12/2015 às 17:57

O ministro Luiz Fux quer que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decida sobre a validade ou não da escolha de lista tríplice para vaga no Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM)  por meio de voto secreto dos desembargadores. A cadeira em questão pertencia ao jurista Décio Santos que deixou a corte eleitoral no dia 21 de junho deste ano e concorre  com os advogados Augusto Semen e Felipe Thury pela preferência da presidente Dilma Roussef.

Em decisão publicada na sexta-feira, Luiz Fux, que é o relator do processo que definirá o novo integrante do TRE-AM, fez uma consulta ao presidente do TSE, ministro Dias Toffoli. O magistrado quer saber se a corte pode chamar para si a atribuição de decidir sobre a matéria contida em um pedido de providências feito pelos advogados Mauro Celi Martins e Fabíola Gesta Carujo ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ).



Os advogados pediram ao CNJ que anulasse a escolha dos nomes que disputam a vaga na Justiça Eleitoral  porque a eleição dos nomes deles no Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM) foi sigilosa, quando deveria ter sido por voto aberto e justificado. A definição da lista tríplice ocorreu na sessão plenária do TJ-AM do dia 28 de abril. Argumentaram também que esse tipo de escolha, apesar de constar na Lei Complementar Estadual nº 17/97 (Lei de Organização e Divisão Judiciárias do Estado do Amazonas), contraria  os princípios constitucionais da publicidade e da transparência das decisões administrativas dos tribunais. Enfatizaram que  não existe na Constituição Federal e nem no Código Eleitoral previsão de que a escolha dos juristas pelos Tribunais de Justiça seja por votação secreta.

Ao analisar o assunto, a conselheira do CNJ Ana Maria  Brito, em julho, negou o pedido. Contudo, ao tomar conhecimento de  outra decisão tomada pelo conselho no qual a votação secreta na Justiça Federal para uma vaga no Tribunal Regional Eleitoral de Tocantins (TRE-TO) teve os efeitos anulados pelo relator, sentença confirmada pelo plenário do CNJ,  a conselheira voltou atrás e suspendeu, em  caráter liminar (decisão rápida e provisória), os efeitos da eleição do TJ-AM.  No dia 9 de outubro, essa decisão foi derrubada pelo relator que sucedeu a conselheira,  Carlos Levenhagen. O magistrado ressaltou que o CNJ ainda não consolidou entendimento sobre o tema e que não via ilegalidade no procedimento realizado pelo TJ-AM. O mérito do processo ainda não foi julgado pelo plenário do CNJ.

Pedido

A consulta feita pelo ministro Luiz Fux ao presidente do TSE Dias Toffoli foi provocada por petição apresentada pelo advogado Mauro Celi Martins informando a respeito do pedido de providência feito ao CNJ sobre supostas irregularidades na eleição dos candidatos que compõem a lista tríplice, cujo desfecho ainda não ocorreu no conselho. A presidente do TRE-AM, Socorro Guedes também in formou ao ministro Fux sobre a revogação da liminar do CNJ que liberava o processo.

Mauro Celi Martins

O advogado Mauro Martins disse ontem (21) que vê com bons olhos a iniciativa do ministro Luiz Fux, contudo ressaltou que por se tratar de uma questão administrativa avalia que a competência para julgar esse assunto é do CNJ. “Só espero que o TSE siga o posicionamento, em caso de ser permitida a avocação pelo presidente, do que já vem decidindo o CNJ em outros casos semelhantes e que todas as eleições para a escolha dos advogados que integrarão os TREs seja feita pelos tribunais de forma aberta. O único fator que vejo como possível óbice é que o ministro relator e o presidente, apesar de serem integrantes da Suprema Corte, não estão na verdade neste caso julgando sob Jurisdição do STF, e que a decisão administrativa atacada não versa na verdade diretamente sobre direito eleitoral na essência, mas de processo administrativo de escolha de integrantes de TRE por Tribunal Estadual. Assim, o TSE não teria  competência para regulamentar essa matéria. O órgão competente é realmente o CNJ para regulamentar a matéria para todos os tribunais brasileiros.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.