Publicidade
Cotidiano
investimento para a indústria

Ministro sinaliza descontingenciamento de até R$ 100 milhões recursos da Suframa

Expectativa é que entre R$ 50 mi e R$ 100 mi dos R$ 1,4 bi que a autarquia possui represados no Tesouro Nacional sejam devolvidos para a administração local e revertidos em investimentos para a indústria amazonense 15/07/2016 às 18:18 - Atualizado em 15/07/2016 às 18:20
Show j kllk
Foto: Bruno Kelly / Arquivo AC
Juliana Geraldo Manaus (AM)

O ministro da Indústria, Desenvolvimento e Comércio Exterior (Mdic), Marcos Antônio Pereira, que há 60 dias assumiu a pasta, informou que o ministério já tem estudos para pleitear o descontigenciamento de parte dos recursos da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa).  

A expectativa é que entre R$ 50 milhões e R$ 100 milhões dos R$ 1,4 bilhão que a autarquia possui represados no Tesouro Nacional (números computados até outubro de 2014) sejam devolvidos para a administração local e revertidos em investimentos para a indústria amazonense. O volume de devolução previsto representa 7,1% do total.

A afirmação foi feita na tarde desta sexta-feira (15), em entrevista concedida com exclusividade, durante visita do ministro à sede da Rede Calderaro de Comunicação (RCC).

   O ministro Marcos Pereira visitou a sede de A Crítica, onde concedeu entrevista exclusiva. Foto: Evandro Seixas 

De acordo com o ministro, um trabalho já tem sido feito junto ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG), à Casa Civil e ao próprio presidente em exercício, Michel Temer, no sentido de apresentar as vantagens do destravamento desses recursos.  

Além da Suframa, órgãos como o Inmetro e o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPItambém possuem recursos contingenciados pela União.

“Se nós – Governo Federal – não contingenciarmos tanto o orçamento e permitirmos que esse dinheiro que é arrecadado por entes como a Suframa – que é superavitária, ou seja, arrecada muito mais do que gasta – retorne à autarquia, a superintendência terá um potencial de gestão e de proatividade maior, além de geração de mais receita. É como se fosse uma empresa, você investe mais e tem retorno maior”, exemplificou.  

Segundo ele, os estudos que propõem o desbloqueio orçamentário já estão prontos, mas não é possível ainda definir um prazo. “É preciso considerar que estamos vivendo uma fase ainda difícil na economia do País, com um déficit calculado para este ano em R$ 170 bilhões, mas creio que temos boas chances de avançar neste assunto. Um montante de R$ 50 milhões a R$ 100 milhões faz muita diferença para o orçamento da Suframa, mas é menos representativo quando consideramos o orçamento da União”, apostou.

Publicidade
Publicidade