Publicidade
Cotidiano
Notícias

Mobile: Apps para os negócios

Executivos utilizam aplicações para smartphones e tablets como ferramentas de gestão, melhorando a produtividade das empresas e alcançando bons resultados 15/03/2013 às 22:23
Show 1
Empresas como a Tap4, de André Tapajós, aproveitam a onda dos aplicativos para crescer no mercado.
Joubert Lima Manaus (AM)

Steve gosta de usar um aplicativo de bate-papo para conversar simultaneamente com várias pessoas em diferentes cidades. Ele usa o app todos os dias, substituindo parcialmente os e-mails. Mas os assuntos que ele discute não têm nada de trivial; são temas estratégicos que determinam a movimentação de milhões de dólares. Steve Lee é CEO da Samsung para América Latina e, assim como muitos executivos do seu naipe, descobriu nos aplicativos mobile importantes ferramentas para facilitar o dia a dia na empresa.

O mercado disponibiliza uma infinidade de aplicativos para diversos fins. Soluções para gerenciamento de tempo, de tarefas, para comunicação e para compartilhamento de documentos são os mais procurados pelos gestores (veja sugestões abaixo).

No caso de Lee, ele usa o popular WhatsApp para manter contato com executivos de diversas áreas da companhia em vários países, resolvendo problemas que exigem medidas imediatas, o que torna a gestão mais ágil e a comunicação mais eficiente.

O empresário André Tapajós, que atua no desenvolvimento de apps em Manaus, explica que o mercado de aplicativos com foco em soluções corporativas está completamente aberto; nenhuma grande empresa domina o setor, o que representa uma enorme gama de oportunidades para desenvolvedores.

O próximo passo será a popularização de aplicativos mobile com múltiplas funções de gerenciamento - como o outlook e outros programas já fazem nos desktops. Enquanto isso não acontece, cada empresa ou profissional usa várias soluções, uma para cada necessidade.

Pelo menos no mundo dos negócios, os aplicativos podem substituir de vez as agendas. A praticidade de ter os compromissos do dia diretamente no celular ou tablet, disponíveis em qualquer lugar e armazenados na “nuvem” tem convencido até os defensores mais ferrenhos das tradicionais agendas de papel.

O empresário Carlos Oshiro é um deles. Ele utiliza o Informant Pro, um dos planners virtuais mais completos do mercado, e aposentou de vez a agenda física.

Mercado aberto

O mercado de aplicativos móveis é mais uma das heranças de Steve Jobs. Ao lançar o iPhone, em 2007, a Apple apresentou o primeiro aparelho que aceitava aplicações de terceiros. Até então, os celulares vinham com aplicativos de fábrica e não era possível instalar outros. A novidade fez sucesso imediato e abriu um mercado gigantesco para desenvolvedores de todos os portes, inclusive em Manaus.

Fabricantes que seguiram a tendência, cresceram no mercado. É o caso da Samsung, que adotou o sistema operacional Android, da Google, e tornou-se um dos principais players do mundo, desbancando a finlandesa Nokia.

Segundo a consultoria IDC, o mercado de aplicativos móveis vai crescer “explosivamente”, chegando a 182,7 bilhões de downloads por ano até 2015. Para efeito de comparação, em 2010, foram baixados 10,7 bilhões de apps.

Geralmente, os aplicativos são gratuitos, e o usuário pode pagar por recursos adicionais ou conteúdos. Os desenvolvedores também ganham com a venda de anúncios.

Os preferidos dos gestores

A popularização das aplicações mobile no mundo corporativo não acontece por acaso. Ela vem na esteira do aumento do uso dos smartphones. Segundo estudo divulgado pela IDC, em 2012, foram vendidos 16 milhões de celulares inteligentes no País, número 78% maior que em 2011. Nesse cenário, a explosão dos aplicativos mobile é um fato natural. Só a App Store, da Apple, já contabiliza mais de um 40 bilhões de aplicações baixadas. Em média, cada usuário de iPhone tem entre quatro e dez aplicações instaladas.

Em números gerais, softwares que rodam no sistema Android lideram, o mercado, mas as soluções para IOs, o sistema da Apple, são as preferidas por gestores, executivos e profissionais liberais.

Os grandes players estão de olho nesse segmento. Vêm aí uma nova geração de aplicativos desenvolvidos sob medida para atender as necessidades de homens e mulheres de negócios, que funcionarão como estações móveis de trabalho. Enquanto essas novidades não chegam, cada um elege seu aplicativo favorito. Confira sugestões ao lado.

Publicidade
Publicidade