Publicidade
Cotidiano
Notícias

Mobilidade para a Copa 2014: Financiamentos atrasam obras

Portal UOL questionou na segunda-feira(12) o abandono dos projetos do BRT e monotrilho prometidos para sediar jogos 13/08/2013 às 11:23
Show 1
Portal UOL questionou ontem o abandono dos projetos do BRT e monotrilho prometidos para sediar jogos
Jéssica Vasconcelos Manaus

O Governo do Estado distribuiu nota nessa segunda-feira (12) à imprensa explicando que o BRT e o monotrilho de Manaus não faziam parte do projeto inicial entregue à Fifa para a sediar a Copa do Mundo de 2014. Diz ainda que incluía apenas o atual sistema de transporte público da cidade.

A explicação foi uma reação do Governo à matéria publicada nesta segunda (12) no blog do jornalista Vinícius Segalla, no Portal UOL. A notícia questiona as obras de mobilidade urbana prometidas pelo Estado e Prefeitura para a Copa.

De acordo com Segalla, os projetos do monotrilho e BRT foram abandonados pelas autoridades com a justificativa que não ficariam prontos a tempo. Ele diz também que durante um ano o Ministério Público Federal alertou sobre as irregularidades no processo de concorrência dos modais.

Segundo o coordenador da Unidade Gestora da Copa, Miguel Capobiango, a explicação para o atraso do início das obras foi a demora no financiamento do projeto e o tempo que se tornou curto para tantos processos. “Tanto o monotrilho como o BRT são obras muito caras que o estado não tem condições de bancar sozinho”, disse Miguel.

Apesar do não cumprimento do projeto original, é acordo entre Prefeitura e Estado que as obras ficarão prontas.

De acordo com o coordenador a retirada dos dois projetos da Matriz de Responsabilidades não interferirá na execução das obras que deverão ser entregues em 2016.

Caixa aprova verba para monotrilho


Miguel Capobiango disse ainda que recentemente o financiamento do monotrilho foi aprovado pela Caixa Econômica Federal e que agora será remetido à Secretaria do Tesouro Nacional para que o projeto seja validado pelo órgão. Já o BRT deve ter o contrato de financiamento com a Caixa Econômica assinado até o fim do mês de agosto.

“Assim que estiver assinado, a prefeitura poderá iniciar o processo de contratação da empresa que irá executar a obra”, acrescentou Miguel.

Sobre as denúncias do Ministério Público Federal, Miguel diz que o monotrilho é uma tecnologia pouco conhecida no Brasil e tem um caráter inovador e por essas características gerou desconfiança e dúvidas.

No dia 6 de agosto o governador Omar Aziz se reuniu com a ministra do Planejamento, Miriam Belchior, e apresentou um conjunto de projetos para a melhoria da mobilidade urbana que fazem parte do Pacto Nacional de Mobilidade do Governo Federal que, depois de inúmeras manifestações populares, foi criado para tentar solucionar o problema do transporte no País.

Segundo a Agência de Comunicação do Estado (Agecom), Omar Aziz apresentou projeto priorizando o transporte a partir da abertura de novos corredores e a ampliação de avenidas na capital, sem nenhuma relação com a realização da Copa de 2014.

Entre os projetos apresentados pelo governador está a construção de complexos viários interligando as zonas Leste a Oeste da capital, um novo complexo para facilitar o fluxo na saída da ponte Rio Negro, na zona oeste, e outro entre os bairros da Chapada e Parque das Laranjeiras, na zona centro-sul.

As propostas incluem ainda os corredores viários da avenida do Futuro, da Colônia Antônio Aleixo e dos Franceses, além da interligação da BR-174 com a avenida do Turismo.

A assessoria acrescentou que o monotrilho e o BRT não são obras indispensáveis para a Copa de 2014 e continuarão a ser encaminhadas pelo Estado por serem importantes para a mobilidade urbana na capital.

A retirada da Matriz da Copa foi solicitada para garantir que os projetos serão executados sem dissolução de continuidade após o Mundial.

Publicidade
Publicidade