Publicidade
Cotidiano
CONGRESSO

Mourão diz que eleição de Maia pode ser boa para governo e que no Senado é indiferente

Questionado sobre possibilidade de eleição de Renan Calheiros à presidência do Senado, o vice-presidente da República se mostrou “indiferente” 01/02/2019 às 12:49
Show 87 9a9d2ef9 0906 4ef9 b332 878570d51773
Foto: Adriano Machado/Reuters
Lisandra Paraguassu (Reuters) Brasília (DF)

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, afirmou nesta sexta-feira (1) que a reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) para a presidência da Câmara dos Deputados deverá ser boa para o governo, mas o resultado no Senado seria “indiferente”. “Rodrigo é muito bom, é um cara experiente, está comprometido com as reformas, acho que vai ser bom para o governo,” defendeu.

O presidente da Câmara, que concorre à reeleição, é o favorito na eleição que ocorre à noite, e já obteve apoio de uma boa gama de partidos, inclusive o PSL, do presidente Jair Bolsonaro.

Questionado sobre a situação no Senado, e especificamente a possibilidade de eleição de Renan Calheiros (MDB-AL), Mourão disse que o resultado na Casa seria “indiferente” e não teria problema.

“Eu julgo que quem seja eleito no Senado vai estar antenado com as coisas que estão ocorrendo no país e com as necessidades que o país tem. É hora dos políticos resgatarem sua credibilidade perante o Brasil como um todo, então esse é um momento bom para eles”, afirmou.

Renan foi escolhido na noite de quinta candidato do MDB à Presidência do Senado, derrotando, em uma disputa apertada dentro da bancada a senadora Simone Tebet. A situação na Casa, no entanto, é mais complicada que na Câmara, com oito senadores tendo apresentado seus nomes para a disputa da Presidência e nenhum deles com uma preferência clara.

Renan era considerado inicialmente um inimigo declarado pelo governo, até por ter apoiado o PT nas eleições deste ano, mas recentemente tem tentado se aproximar de Bolsonaro e tem falado em apoiar às reformas. Depois de ter sido indicado pelo MDB, Renan recebeu um telefonema de apoio de Bolsonaro — que, depois, ligou para os demais candidatos.

Publicidade
Publicidade