Sexta-feira, 19 de Abril de 2019
publicidade
1.jpg
publicidade
publicidade

Notícias

Movimento ‘Fora Dilma’ perde força de mobilização

Embora lideranças neguem, o que se viu neste domingo (12) foi uma participação pequena em comparação ao evento de março


12/04/2015 às 21:39

Apesar da má avaliação recorde ao governo da presidente Dilma Rousseff, que disparou para 64% em março, o número de manifestantes que foram as ruas ontem em Manaus, pedindo o fim da corrupção e o impeachment foi muito menor do que a primeira passeata, realizada no dia 15 de março.

De acordo com a Polícia Militar, o evento reunia, no início, cerca de 300 pessoas, mas ao final o número chegou a 900, enquanto o anterior (15 de março) levou 22 mil pessoas para as ruas, o que representa uma queda de adesão de 96%.

Apesar do número divulgado pela PM, o coordenador do movimento “Fora Dilma” em Manaus, Bruno Raphael Matos, 26, contabilizou a presença de 3 mil pessoas, o que representa uma diminuição de 86 % dos manifestantes.

O protesto, agendado para às 9h deste domingo (12), saiu com 2h30 de atraso. Para os organizadores, a forte chuva que atingiu a capital durante a manhã dificultou a chegada das pessoas ao ato de protesto.

“O movimento não está perdendo força, pelo contrário, começou a surtir efeito. A presidente está visivelmente enfraquecida. O ministro da educação, Cid Gomes, foi demitido. O vice-presidente foi colocado como articulador político do governo, então na prática, a presidente Dilma hoje é apenas um símbolo. E faça chuva ou faça sol nós queremos deixar claro que iremos continuar batendo até a presidente Dilma cair, o Fernando Collor caiu por muito menos”, avaliou Raphael.

Aos poucos, dezenas de faixas, cartazes e bandeiras pedindo a saída da presidente e punição aos corruptos foram empunhadas pelos manifestantes. Uma das bandeiras dizia “A nossa bandeira jamais será vermelha”, em referência à cor da bandeira do Partido dos Trabalhadores. Outra dizia que “Não ao comunismo. Fora Dilma e leve o PT junto”.

Para o estudante Eric Carrote, “nunca na história humana vimos um processo criminoso para acabar com um país como estamos vendo no governo petista”. “Eles querem fazer no nosso país o mesmo que fizeram na Venezuela, tolhendo a vontade do povo. Nós viemos aqui também para pedir a CPI do BNDES, mas antes disso vamos tirar a Dilma. Ou acabamos com o PT ou o PT acaba conosco”, disse.

O administrador Filismino Soares Neto, 49, esteve na primeira grande manifestação do dia 15, e disse ser favorável ao impeachment “porque a presidente Dilma perdeu posição de governabilidade”. “O Congresso Nacional está fazendo todas as semanas oitivas com envolvidos na Lava-Jato, e na minha opinião a Dilma e o Lula são os grandes chefes disso”, sustentou. Os manifestantes marcharam da Praça do Congresso, no Centro de Manaus, até a avenida Djalma Batista, Zona Centro-Sul.

Pesquisa

Quem participou do protesto ontem em Manaus pedia, entre outras questões, o impeachment da presidente Dilma Rouseff (PT), o que inclui os manifestantes na maioria de brasileiros que deseja o mesmo, segundo pesquisa Datafolha divulgada no último sábado (11).

Os números apontam que 63% dos brasileiros apoiam a abertura de um processo de impeachment contra presidente, quando se consideram as revelações feitas até aqui pela Operação Lava Jato. Os outros 33% se opõem a essa possibilidade e 4% se absteve de responder ou não soube fazê-lo.

Segundo o Datafolha, 57% dos entrevistados considera que Dilma sabia dos desvios e não fez nada para evitá-los, 26% acreditam que a governante conhecia o problema, mas não podia fazer nada para evitá-lo e apenas 12% consideram que a chefe de Estado desconhecia o ocorrido na Petrobras.

A pesquisa também mostra que 64% dos entrevistados não acredita que Dilma será afastada em razão das denúncias de corrupção e que menos da metade dos entrevistados sabe que, caso Dilma saia, quem assume é o vice-presidente e que o vice é Michel Temer (PMDB). A pesquisa Datafolha foi feita entre os dias 9 e 10 de abril.

Mudança

“Decidi participar porque mesmo embaixo de chuva essa manifestação significa que estamos colocando para fora as mudanças que queremos. Estamos expondo isso. Nós queremos que o PT saia, porque são 12 anos de governo enganando o povo com um governo falido”, disse o comunicador social Alex Uchôa, que estava entre os primeiros a chegar para o ato. 

Além de pedir a saída da presidente Dilma Rousseff (PT), para Uchôa, nesse momento, o vice-presidente Michel Temer (PMDB), é a melhor opção para o governo.

“Se ela sair e deixar o cargo para ele acho que estaremos melhor. Ele parece estar mais preocupado com o povo. Para a próxima eleição, temos o Aécio, que já mostrou ser capaz de muita coisa. Eu defendo a renúncia dela (a presidente). Existem muitas pessoas que podem fazer melhor e não mentir para o povo, que está arrependido de ter decidido por uma segunda chance a ela”, disse Uchôa.

Para o advogado Alfredo Andrade, "contra a Dilma, vale tudo, inclusive participar desse ato na chuva". Ele defende as ações do Conselho Federal dos Advogados contra a corrupção e alinha o ato a elas.

publicidade
publicidade
Operadoras de celular começam recadastramento de clientes com pré-pagos
Paulo Guedes deixou claro que não acaba com a ZFM porque é lei mas vai matá-la à míngua, diz senador
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.