Publicidade
Cotidiano
Política, Senado, Congresso Nacional, Mobilização Social, Movimento 'Fora Renan', ONG Rio de Paz, STF, Renan Calheiros

Movimento 'Fora Renan' alcança meta de assinaturas

Mobilização levanta 1,3 milhão de assinaturas a favor do processo de impeachment contra o presidente do Senado, Renan Calheiros, que é acusado na Justiça de cometer peculato, falsidade ideológica e utilização de documentos falsos 12/02/2013 às 10:29
Show 1
Em Brasília, manifestantes protestam contra a eleição de Renan Calheiros
Congresso em Foco Brasília

A petição que pede o afastamento de Renan Calheiros da presidência do Senado alcançou a meta de assinaturas estabelecida pelos autores da iniciativa. Ou seja, mais de 1% do eleitorado nacional – isto é, 1 milhão 360 mil pessoas – já assinou o documento que pede o impeachment do senador, segundo notícia do Congresso em Foco.

A mobilização digital contra a volta de Renan ao cargo ao qual ele renunciou, no final de 2007, abalado por várias denúncias graves, foi iniciada pela Organização Não-governamental (ONG) Rio de Paz e teve imediata adesão de diversas entidades da sociedade civil.

A ideia original era pressionar pela eleição de um político ficha limpa para presidir o Senado e, por conseguinte, o Congresso Nacional (o presidente do Senado acumula as duas funções). Eleito no último dia 1º com o voto de 56 dos 81 senadores, Renan é acusado de ter cometido três crimes pela Procuradoria-Geral da República.

No último sábado (9), um grupo de manifestantes que protestavam contra a eleição de Renan Calheiros (PMDB-AL) fechou uma das pistas da avenida Paulista, em São Paulo. Em torno de 200 pessoas participaram do protesto, segundo a Polícia Militar.

Com gritos de “Fora Renan”, os manifestantes pediram que o presidente do Senado deixe espontaneamente o comando da Casa ou sofra um processo de impeachment.

Renan é acusado pela Procuradoria-geral da República de ter praticado os crimes de peculato, falsidade ideológica e utilização de documentos falsos. A denúncia foi encaminhada ao Supremo Tribunal Federal (STF), que ainda vai decidir se abre ou não ação penal.

Publicidade
Publicidade