Terça-feira, 21 de Maio de 2019
UNIVERSIDADE

MPF recomenda melhorias no curso de medicina da Ufam em Coari

Estrutura precária e carga horária de disciplinas diferente da prevista no mesmo curso na capital foram algumas das irregularidades identificadas



show_ufam_coari_51CF9248-BBA7-45BD-AF7D-61F035032A06.JPG
Foto: Arquivo A Crítica
26/03/2019 às 11:36

O Ministério Público Federal (MPF) recomendou ao reitor da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Sylvio Puga, a estruturação do curso de medicina da universidade no município de Coari, a 362 quilômetros de Manaus, e a reavaliação do plano pedagógico do curso, compatibilizando a carga horária de cada disciplina ao que é ministrado na capital. A recomendação foi expedida pela Procuradoria da República no Município de Tefé, com sede em Manaus.

Após representação feita por alunos do curso em Coari, o MPF identificou que há considerável diferença entre a carga horária de matérias do curso no município e do mesmo curso em Manaus. Em disciplinas de formação médica de base biológica, a carga horária em Coari é menor que em Manaus, como é o caso de Patologia Geral, que tem carga de 90 horas em Coari e 210 horas na capital; já em disciplinas de atenção à saúde, como Família e Comunidade, há excesso de carga horária no interior, com 1545 horas em Coari contra 540 horas em Manaus.

A precariedade de recursos físicos da universidade no município do interior, onde faltam instrumentos fundamentais para a boa formação dos acadêmicos, como bonecos para simulação, materiais cirúrgicos (luvas, pinças, bisturis), peças anatômicas orgânicas, microscópios e até materiais básicos como mesas e cadeiras, já foi noticiada à administração da Ufam pela primeira turma do curso de medicina do campus de Coari, mas não foram adotadas medidas para solucionar a questão.

De acordo com a recomendação do MPF, a Ufam deve disponibilizar docentes para o ensino de módulos em atraso, para evitar o prejuízo da carga horária e atraso do curso, e o termo “médico” deve ser utilizado para denominar os graduados no curso superior de Medicina, devendo constar obrigatoriamente dos diplomas emitidos pela universidade, conforme prevê o artigo 6º da Lei 13.270/2016, sendo proibida a denominação “bacharel em Medicina”.

O MPF recomendou também que a Ufam promova supervisão do curso de Medicina do campus Coari, com fiscalizações semestrais no município, para que o nível do curso do interior seja equiparado ao do mesmo curso na capital. Caso sejam identificadas irregularidades durante as fiscalizações, a universidade deve realizar as correções necessárias. O documento estabelece prazo de 15 dias para que o reitor informe o órgão sobre o acatamento da recomendação.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.