Quarta-feira, 20 de Novembro de 2019
Notícias

Na Região Norte, 50% da população não usou preservativo com parceiros casuais

Dados são da mais recente Pesquisa de Conhecimentos, Atitudes e Práticas na População Brasileira (PCAP), realizada em 2013, que traz um panorama do comportamento sexual do brasileiro



1.jpg Mesmo sabendo da importância do preservativo, população do Norte não usou em sexo casual
10/02/2015 às 15:21

Apesar de reconhecerem que o uso do preservativo é a melhor forma de prevenção às DST e aids, muitos brasileiros adotam comportamento de risco. Essa é a conclusão da Pesquisa de Conhecimentos, Atitudes e Práticas na População Brasileira (PCAP), realizada pelo Ministério da Saúde, em 2013.

Na região Norte, 87% das pessoas sabe da importância do uso do preservativo. Mesmo assim, 50% da população sexualmente ativa da região não fez uso da camisinha em todas as relações sexuais com parceiros casuais, no último ano.



Os dados regionais comparativos com as pesquisas anteriores mostram que o uso do preservativo em todas as relações sexuais, nos últimos 12 meses, se manteve praticamente estável – 47% em 2004; 50% em 2008 e 2013 – apesar das constantes campanhas de estímulo ao uso do preservativo durante todos esses anos.

Além disso, houve um crescimento significativo de pessoas que relataram ter tido mais de 10 parceiros sexuais na vida. Esse percentual subiu de 26% em 2004 para 27% em 2008, chegando aos atuais 49,2% no ano de 2013. Esse índice é o segundo maior dentre as regiões brasileiras, perdendo apenas para a região sudeste, que registrou 49,5%.

“Esses dados demonstram um esgotamento das estratégias tradicionais de prevenção focadas apenas nos preservativos. A campanha de Carnaval deste ano com o slogan Partiu Teste – focada na prevenção combinada de camisinha, testagem e tratamento – é uma resposta a essa nova realidade”, ressaltou o ministro da Saúde, Arthur Chioro. 

Brasil

Segundo a PCAP, a maioria dos brasileiros (94%) sabe que a camisinha é melhor forma de prevenção às DST e aids. Mesmo assim, 45% da população sexualmente ativa do país não usou preservativo nas relações sexuais casuais nos últimos 12 meses. Realizada em 2013, a pesquisa entrevistou 12 mil pessoas na faixa etária de 15 a 64 anos, por amostra representativa da população brasileira.

Os dados comparativos com pesquisas anteriores mostram que o uso do preservativo na última relação sexual, ocorrida nos últimos 12 meses, se manteve praticamente estável: 52% em 2004; 47% em 2008 e 55% em 2013. Além disso, houve um crescimento significativo de pessoas que relataram ter tido mais de 10 parceiros sexuais na vida. Esse percentual subiu de 19%, em 2004, para 26% em 2008, chegando a 44% no ano de 2013.

Campanha

Pela primeira vez, a estratégia prevê a extensão da campanha, além do Carnaval, com adaptações, para festas populares, como São João e outros eventos, em todo o país, durante todo o resto do ano. A mensagem geral da campanha é informar o jovem para se prevenir contra o vírus da aids, usar camisinha, fazer o teste e, se der positivo, começar logo o tratamento, reforçando o conceito “camisinha + teste + medicamento” de prevenção combinada.

Serão cerca de 129 mil cartazes em quatro versões – segmentados para a população jovem, travesti e jovem gay – um spot de rádio, 315 mil folders explicativos da prevenção combinada e um vídeo para TV. Os materiais reforçam o slogan final usando a gíria “# partiu teste”, linguagem típica desta faixa etária prioritária.

Protocolo

Em dezembro 2013, o Ministério da Saúde implantou o novo Protocolo de Tratamento para Adultos, que possibilitou o acesso aos antirretrovirais a todas as pessoas com o vírus da aids.  Atualmente, são cerca de 400 mil pessoas em tratamento de aids com 22 medicamentos antirretrovirais distribuídos pelo SUS.

Paralelo às campanhas de incentivo ao sexo seguro - que continuam sendo desenvolvidas pelo Governo Federal em parceria com estados e municípios - o Brasil tem adotado outras estratégias de prevenção, como a ampliação da testagem do HIV. Em 2014, foram distribuídos 6,4 milhões de testes rápidos para o HIV, número 26% superior aos 4,7 milhões distribuídos em 2013.  Das cerca de 734 mil pessoas que vivem com HIV e aids no Brasil atualmente, cerca de 150 mil não sabem.

A ampliação da assistência às pessoas com HIV e aids e o incentivo ao diagnóstico precoce do HIV fazem parte das estratégias do Ministério da Saúde no cumprimento da meta “90-90-90”, que corresponde a 90% de pessoas testadas, 90% tratadas e 90% com carga viral indetectável até 2020. As metas foram estabelecidas pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (UNAIDS).

Região Norte

Desde os anos 80, foram notificados 757 mil casos de aids no país. Na região Norte foram 41.036 casos no mesmo período. A epidemia no Brasil está estabilizada, com taxa de detecção em torno de 20,4 casos de aids, a cada 100 mil habitantes. Isso representa cerca de 39 mil casos novos ao ano.

No Norte, a epidemia apresenta curva acentuada de crescimento. São 26 casos a cada 100 mil habitantes, acima da média nacional. No Brasil, o coeficiente de mortalidade por aids caiu 13% nos últimos 10 anos, passando de 6,1 óbitos por 100 mil habitantes em 2004, para 5,7 casos em 2013.

No Norte, o coeficiente atual de mortalidade é de 7 casos por 100 mil habitantes. Estes indicadores motivaram o Ministério da Saúde, em meados de 2014, a instalar uma Cooperação Interfederativa (Força Tarefa), especificamente para enfrentar, de maneira diferenciada, a epidemia no Estado do Amazonas.

*Com informações da assessoria de imprensa


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.