Publicidade
Cotidiano
FERRAMENTA DO AMOR

Namoros modernos que nascem a partir de apps de paquera e ganham a vida 'real'

A internet mudou em vários aspectos o comportamento do ser humano. O jeito como as pessoas buscam atualmente pelo parceiro ideal é uma dessas mudanças 13/05/2018 às 06:00
Show vida0113 006f
+A professora Fabiana Said e o programador de sistemas Tiago Vanelli se conheceram através do Facebook. (Arquivo Pessoal)
Mayrlla Motta Manaus (AM)

A internet mudou em vários aspectos o comportamento do ser humano. O jeito como as pessoas buscam atualmente pelo parceiro ideal é uma dessas mudanças. Antes do ‘boom’ de aplicativos de paquera, as pessoas procuravam a ‘alma gêmea’ ao vivo e em cores: numa festa, no bar, na praça... Agora, em versão mais moderna, o mundo virtual oferece diversas opções para quem quer utilizar o celular nessa tarefa amorosa. 

E há mercado para todos os públicos. O ‘Stitch’ para os idosos; “Amor em Cristo” para evangélicos; “Tinder”, “Happn” e “Badoo” são um dos exemplos dos mais populares entre os jovens.

 Marcela Aguiar* encontrou Pedro Augusto* através do Happn. Eles estão juntos há dois e três meses. Ela não era de sair de casa, então o app foi uma ótima ferramenta para unir o casal. Ela cita as principais diferenças entre paquerar através de aplicativos e ao vivo. “Pessoalmente, se você não gostar da pessoa, você fica um pouco sem jeito de falar na cara dela isso. Já pelo app, a gente tem mais tempo pra escolher as palavras pra conseguir dar o fora sem magoar a pessoa, ou também podemos até mesmo ignorar as mensagens de quem não nos interessa. E aí sim, quando gostamos de alguém podemos marcar de encontrar pessoalmente”, disse.

 AMOR NO FACEBOOK

Semana passada, o Facebook anunciou que lançará em breve um novo aplicativo de paquera para unir os usuários que se classificam como solteiros na rede social. Mas antes de Mark Zuckerberg lançar a ferramenta, o Facebook já estava unindo casais. A professora Fabiana Said, 34, e o programador de sistemas Tiago Vanelli, 32, se conheceram assim: através de uma solicitação de amizade na rede social. 

Ela mora em Manaus e ele no Rio Grande do Sul, logo territorialmente falando não daria para se conhecere, mas na internet tudo é possível. Tiago enviou uma solicitação de amizade para Fabiana, e ela, mesmo sem o conhecer pessoalmente, resolveu aceitar. A amizade rendeu bons frutos e eles conversaram diariamente por setes meses através de mensagens e vídeo chamadas, até que decidiram se ver.  

“Viajei até lá (RS) em janeiro desse ano para nos conhecermos pessoalmente e nos certificarmos de que o que sentíamos era verdadeiro. Em Julho faremos um ano de relacionamento de muita cumplicidade, companheirismo, confiança e muito amor”, conta Fabiana.

Para ela, o que a conectou com ele não foi atração física, mas mental. “O Tiago, me atraiu pela inteligência. Nossas conversas sempre foram intermináveis, conseguimos falar de tudo... Porque para mim, relacionamento não são só beijo, abraço e sexo... Se não houver compatibilidade de mentalidade, dificilmente dará certo”, opina. 
 ‘NOVO TEMPO’

Para a psicóloga Karina Bessa, a busca pelo parceiro dos sonhos por parte dos solteiros acontece tanto em ambiente real como virtual. “Estamos vivendo novos tempos, com toda essa imposição do virtual, e é preciso estar atento para não enveredar por um caminho de exageros, que leva fatalmente ao adoecimento. Interessante é observar que se relacionamentos iniciam por aplicativos, também terminam”, disse.

Na avaliação dela esse “novo momento” exige reflexões. “Nós devemos evitar o julgamento de que os que preferem o virtual são “mentirosos” ou não são aptos a relacionamentos reais. Quem prefere o virtual se protege com uma distância física. Entretanto, nós também não podemos dizer que quem prefere um encontro presencial abra sua alma e mostre quem realmente é”, opina a especialista. 

*Nomes fictícios utilizados na reportagem a pedido dos entrevistados.

Publicidade
Publicidade