Publicidade
Cotidiano
Risco no Tarumã

Duplicação da AM-450 e construção de ponte no Tarumã seguem sem previsão

A reportagem de A CRÍTICA esteve no local e confirmou que motoristas e pedestres que transitam por aquele local têm grande receio de andar por alí devido as obras estarem abandonadas. 01/11/2016 às 05:00
Show taruma1
Uma ponte de ferro foi instalada no local provisoriamente e meses após um dos lados da ponte foi construído e liberado. Mas a do outro lado da ponte segue paralisada; na foto, a moradora Nilce Guimarães / Fotos: Euzivaldo Queiroz
Paulo André Nunes Manaus (AM)

A situação atual da rodovia AM-450, no trecho próximo à cachoeira do Tarumã, na antiga Estrada do Turismo, Zona Oeste, é preocupante. A reportagem de A CRÍTICA esteve no local e confirmou que motoristas e pedestres que transitam por aquele local têm grande receio de andar por ali devido as obras estarem abandonadas.

Antes de serem paralisadas, existiam naquele local obras envolvendo a duplicação da AM-450 e a construção de duas pontes. A primeira das pontes foi construída no ano passado após a que existia anteriormente ter a estrutura comprometida por conta da correnteza do igarapé em decorrência das chuvas e do tráfego intenso de veículos de grande porte.

Uma ponte de ferro foi instalada no local provisoriamente e meses após um dos lados da ponte foi construído e liberado. Mas a do outro lado da ponte segue paralisada. Uma imensa cratera está aberta comprometendo quem passa próximo ao local. Na via as placas de sinalização de trânsito estão quebradas, e há buracos na estrada, colocando em risco quem trafega por ali, como o técnico em máquinas de costura Francisco das Chagas, de 41 anos. “Aqui é muito perigoso. Há uma curva aqui que é muito fechada e se a pessoa vier com um pouco mais rápido vai ‘sobrar’ nela. E logo aqui perto tem um bueiro que, se ‘bobear’, a pessoa cai lá embaixo. Essa cratera é um risco”, garante ele.

Cobrança
Nilce Monteiro Guimarães, de 49 anos, mora há quatro deles na Estrada do Turismo e também cobra melhorias no local. Ela mora ao lado de uma das crateras próximo à ponte construída. “Além da ponte, que não está concluída, também não temos calçadas e isso é arriscado demais por conta dos carros, principalmente à tarde. Temos que andar pela rua mesmo e isso é perigoso. Certa vez um veículo já colidiu aqui próximo. Falta um sinal de trânsito”, comentou a moradora.     

Outro lado
Por meio de sua assessoria de comunicação, a Secretaria de Estado da Infraestrutura (Seinfra) informa que a obra no Tarumã prevê a construção de duas pontes paralelas próximo ao acesso da Vivenda Verde, sendo que uma delas já em plena utilização de trafego de veículos.

“O contrato fiscalizado pela Seinfra engloba desde a duplicação da AM-450 até a construção das pontes. A paralisação temporária das atividades foi ocasionada pela suspensão de recurso por parte do governo federal o que inviabilizou o atendimento da programação”, complementa o órgão, via assessoria.

Passado
O Tarumã, local onde está situada uma das pontes previstas nas obras informadas pelas Secretaria de Estado da Infraestrutura, era, há algumas décadas, um dos cartões-postais da cidade de Manaus, tanto pela beleza das suas águas, quanto por ter sido, durante anos, uma das opções de lazer dos manauenses. Hoje, está poluído, servindo de abrigo para o lixo, como geladeiras velhas, e as garças que povoam suas margens. 

Publicidade
Publicidade