Quarta-feira, 08 de Abril de 2020
CRÍTICAS

'Não penso em autoritarismo', diz Bolsonaro após falas do filho sobre AI-5

Eduardo Bolsonaro disse que a edição de um novo AI-5, instrumento que marcou o endurecimento da ditadura militar no país, poderia ser a resposta caso protestos contra governo aumentem



Eduardo-Jair-Bosonaro-Ernesto-Araujo-Relacoes-Exteriores-868x644_F5FFEAC8-FAB4-48B2-B7AA-77220AEFEEDA.jpg Foto: Jorge Lima / Poder 360
01/11/2019 às 08:47

Em entrevista ao jornalista José Luiz Datena, na TV Band, Bolsonaro disse que não pensa em uma arma como o AI-5, lembrou que tanto ele quanto o filho, que é deputado federal, foram eleitos de maneira democrática e defendeu que o país não se atenha a “assuntos menores”.

“Eu falei para ele ‘se desculpa junto àqueles que porventura não interpretaram você corretamente’. E ele falou ‘não tem problema nenhum’”, disse o presidente, ao explicar o contexto da fala de Eduardo sobre o ato institucional do regime militar.



“Ele fala que no contexto lá dos anos 1960, o Brasil viveu um momento difícil aqui também e que o AI-5 foi quase uma imposição. Mas ele fala também que o AI-5 não existe. Essa arma não existe, tá? E nem queremos e nem pretendemos falar em autoritarismo da nossa parte”, disse, na entrevista, aproveitando para se dizer chateado por “qualquer palavra” tornar-se um “tsunami”.

“Se lamenta essa notícia aqui em parte distorcida, mas meu filho está pronto para se desculpar , tendo em vista ter sido mal interpretado”, acrescentou o presidente. Mais cedo, ao sair do Palácio da Alvorada, lamentou a declaração do filho, embora, na ocasião, afirmasse não conhecer o comentário. “Quem quer que esteja falando de AI-5 está sonhando. Está sonhando! Está sonhando!”, disse Bolsonaro a jornalistas em frente ao Palácio da Alvorada.

Indagado se cobraria seu filho pela declaração, o presidente mostrou irritação. “Cobre você dele. Ele (Eduardo) é independente, tem 35 anos. Se ele falou isso, eu não estou sabendo, eu lamento. Lamento muito”, disse.

Em entrevista à jornalista Leda Nagle, divulgada no Youtube, Eduardo disse que a edição de um novo AI-5, instrumento que marcou o endurecimento da ditadura militar no país, poderia ser a resposta do governo do pai a uma eventual radicalização da esquerda.

Mais tarde, Eduardo publicou um vídeo numa rede social no qual pediu desculpas. “Não fico nem um pouco constrangido de pedir desculpas a qualquer tipo de pessoa que tenha se sentido ofendida ou imaginado o retorno do AI-5”, disse o deputado no vídeo.

Não é a primeira vez que Eduardo gera polêmica com declarações de viés autoritário. Durante a campanha eleitoral do ano passado, o parlamentar, que foi o deputado federa mais votado da história do país, disse que seriam necessários apenas um soldado e um cabo em um jipe para fechar o Supremo Tribunal Federal (STF).

Na ocasião, Bolsonaro reagiu à fala do filho afirmando que “advertiu o garoto”, e Eduardo se desculpou pela fala.

O presidente pretendia indicar o filho para embaixador do Brasil nos Estados Unidos, mas diante da falta de apoio no Senado, que precisa referendar a indicação, e de uma briga interna no PSL que fez com que o deputado assumisse a liderança da legenda na Câmara dos Deputados, Eduardo anunciou que abria mão da indicação.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.