Publicidade
Cotidiano
Notícias

Nos primeiros dez meses de 2014, arrecadação no AM cresce 7% em relação ao mesmo período de 2013

Apesar do resultado positivo, os números não são muito animadores, pois outubro foi o segundo mês consecutivo em que a arrecadação fechou em queda 17/11/2014 às 17:52
Show 1
O Secretário Executivo de Receita, Jorge Jatahy, disse, no entanto, que em novembro, a expectativa é de crescimento
Camila Leonel Manaus (AM)

No acumulado de janeiro a outubro de 2014, a arrecadação tributária no Amazonas cresceu 7% em relação ao mesmo período de 2013, mas apesar do resultado positivo, na comparação mensal, os números não são muito animadores. Isso porque outubro foi o segundo mês consecutivo em que a arrecadação fechou em queda. Em setembro, a redução foi de 6,1%, já em outubro o percentual em comparação com outubro do ano passado despencou em 13,8%.

Apesar do cenário não ser animador, o Secretário Executivo de Receita, Jorge Jatahy, disse que em novembro, a expectativa é de crescimento, devido à proximidade do fim do ano. “Nesse mês de novembro nós vamos ter um crescimento significativo, mas  a tendência do semestre é ser mais fraco do que o semestre anterior e o semestre do ano passado em razão do efeito da Copa do Mundo na venda de produtos eletrônicos. Especificamente televisões”, comentou.

A expectativa é que a economia no Amazonas cresça entre 1,5% e 3%. “A gente está trabalhando com 1,5%, mas com a arrecadação de dezembro a gente pode conseguir ficar um pouco acima da inflação”, segundo Jatahy, que também explicou que o motivo da queda da arrecadação no segundo semestre foi a “ressaca” do período pós Copa do Mundo “no começo do ano, produziu-se muito e o que foi produzido e não foi vendido agora está sendo estocado pelo varejista do sul do país a gente já imaginava que haveria uma queda, mas o índice desse mês já é de recuperação”.

Greve

Com o fim do prazo dado pelo Ministério do Desenvolvimento da Indústria e do Comércio Exterior (MDIC) para cumprir com as promessas feitas ao Sindicato dos Servidores da Suframa (Sindframa), a possibilidade de uma nova greve voltou a preocupar. Porém, Jatahy diz que os impactos de uma nova greve não seriam tão expressivos quanto os da greve do começo do ano, que durou 46 dias, o que trouxe um prejuízo de mais de R$300 milhões para a ZFM. “Uma nova greve prejudicaria a liberação de mercadorias, mas considerando que nós já estamos no meio de novembro, o forte da produção para o natal já foi toda “desembaraçada”. Então não iria comprometer o natal, mas é claro que a continuidade da produção depende dessa liberação”, declarou.

Audiência pública

Na tentativa de evitar uma paralisação, na próxima quarta-feira (18), às 10h, ocorrerá uma audiência pública na Assembleia Legislativa (Aleam) para que os funcionários da Suframa apresentem a situação pela qual vêm passando os servidores da autarquia e, assim, obter um maior apoio por parte dos parlamentares. Participarão da audiência membros da Suframa, do  Sindicato dos servidores da Suframa (Sindframa), da Fieam e do Cieam. Na próxima sexta-feira, representantes do Sindframa se reúnem com os representantes do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) para acertar que medidas serão tomadas. O Ministério ainda não cumpriu com as propostas feitas em abril desse ano. O prazo para o MDIC cumprir as medidas encerrou-se no último dia 4.

Publicidade
Publicidade