Publicidade
Cotidiano
Campanha

Nova etapa de vacinação contra a febre aftosa inicia nesta terça (1º) no Amazonas

A campanha se estende até o dia 30 de novembro, com meta de imunizar 831 mil animais em 21 cidades do sul do Estado, além de Presidente Figueiredo 01/11/2016 às 16:11 - Atualizado em 01/11/2016 às 16:21
Show close vacinacao aftosa  0
Foto: Agência Brasil
acritica.com* Manaus (AM)

Nesta terça-feira, 1º de novembro, inicia a segunda etapa de vacinação contra a febre aftosa em 21 cidades do sul do Amazonas, além de Presidente Figueiredo e Novo Airão, na Região Metropolitana de Manaus. A campanha é coordenada pela Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Amazonas (Adaf) e se estende até dia 30 do mesmo mês com meta de imunizar 831 mil animais.

Os criadores de bovinos, bubalinos, caprinos, ovinos e suínos devem procurar as casas agropecuárias ou unidade local do Idam para adquirirem a vacina. O preço do medicamento varia de R$ 1,50 a R$ 2,20 a dose. Além de imunizar o rebanho, o pecuarista precisa comprovar a imunização nos escritórios locais da Adaf e/ou Idam para a validação e controle do Estado.

Os municípios a serem atendidos nessa etapa são: Barcelos, Canutama, Carauari, Ipixuna, Itamarati, Juruá, Lábrea, Novo Airão, Pauiní, Santa Izabel do Rio Negro, São Gabriel da Cachoeira e Tapauá, Apuí, Boca do Acre, Eirunepé, Envira, Guajará, Humaitá, Manicoré, Novo Aripuanã e Presidente Figueiredo. A região sul do Amazonas concentra o maior número de gado do Estado, com destaque para os municípios de Boca do Acre e Guajará que já são considerados livre da doença.

Sobre a doença

A febre aftosa é uma doença infecciosa aguda que causa febre, seguida do aparecimento de vesículas (aftas), principalmente, na boca e nos pés de animais de casco fendido, como bovinos, búfalos, caprinos, ovinos e suínos. A doença é causada por um vírus, que pode se espalhar rapidamente, caso as medidas de controle e erradicação não sejam adotadas logo após a sua detecção. O vírus também pode ser transportado pela água, ar, alimentos, pássaros e pessoas (mãos, roupas e calçados) que entraram em contato com os animais doentes.

*Com informações da assessoria de comunicação

Publicidade
Publicidade