Publicidade
Cotidiano
SERVIÇOS

Novas estruturas são instaladas para a recuperação da estrada de Novo Airão

Estão sendo realizados na segunda etapa das obras no quilômetro 22 da AM-352 serviços de escavação, limpeza do terreno, aterro e instalações de aduelas de concreto 29/01/2019 às 18:58
Show obras 123 898d8bc3 2eda 4ba2 9798 97d609bbcba0
Foto: Divulgação
acritica.com Manaus (AM)

A segunda etapa dos trabalhos de recuperação do trecho do quilômetro 22 da AM-352, a estrada do município de Novo Airão (a 180 quilômetros de Manaus), prossegue na localidade. Desde o início desta semana, a Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra) realiza os serviços de escavação, limpeza do terreno, aterro e instalações de aduelas de concreto, que vão substituir as antigas tubulações que estavam instaladas no trecho.

Com as obras, o trecho da estrada sofreu alteração e conta com um desvio para a passagem de veículos leves e pesados. Ao longo do trecho, foram colocadas placas de advertências para alertar aos condutores, que trafegam pela estrada, sobre a existência de obras na região.

O secretário da Seinfra, Carlos Henrique Lima, afirma que os trabalhos estão seguindo o cronograma de execução do planejamento para a reconstrução total da estrada.

“Essa segunda etapa segue o nosso plano estabelecido para a recuperação total da área para que, em breve, possa oferecer melhores condições de trafegabilidade e segurança para quem mora ou visita o município de Novo Airão. Desde quando ocorreu o problema, estamos atuando para trazer soluções que não prejudiquem a população ou deixe o município com a sua rotina comprometida”.

A reconstrução da estrada está sendo realizada com base em estudos técnicos realizados pela Seinfra e pelo Corpo de Bombeiros e Defesa Civil de Novo Airão. A Seinfra possui autorização do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) para intervenção na Área de Preservação Permanente (APP).

O quilômetro 22 da Estrada de Novo Airão (AM-352) rompeu, na noite do dia 10 de janeiro, devido ao grande volume de água das chuvas no igarapé que obstruiu o tubo ármico, de 2,5 metros de diâmetro, por causa da vegetação. Sem espaço para escoar, a água penetrou pelas laterais do bueiro rompendo o corpo do aterro.

Publicidade
Publicidade