Publicidade
Cotidiano
Notícias

Novas marcas apostam na importância econômica da região Norte para o varejo

A importância econômica da região Norte para o varejo nacional explica o movimento: mais concorrência em todos os setores do comércio 06/06/2015 às 19:05
Show 1
Restaurante Ragazzo fez estreia em Manaus com mais uma opção culinária na cidade
Cinthia Guimarães Manaus (AM)

Mesmo com comércio em fraco crescimento, redes de departamento e novas franquias estão mirando em Manaus a fim de expandir suas operações para o Norte do Brasil. Os segmentos que mais ganham destaque são de moda (feminina e masculina) e alimentação que tem gerado emprego e movimentado a preferência dos consumidores.

É o caso da loja de departamentos americana Forever 21, que escolheu o Amazonas Shopping para inaugurar sua primeira unidade nas regiões Norte e Nordeste. As obras já começam em julho no corredor da expansão, segundo piso do Amazonas Shopping, que abriga operações de grande porte, como Centauro, CLA, PBKids e Comepi.

A Forever 21 chegou ao Brasil em março de 2014, no shopping Morumbi, zona Sul de São Paulo. Atualmente, a marca idealizada pelo coreano Do Won Chang e sua esposa, Jin Sook, conta com 15 unidades no país, das quais dez somente em São Paulo. As mais recentes foram abertas oficialmente no último dia 23 de maio, no Shopping Parque Dom Pedro, em Campinas, e no Shopping Anália Franco, na capital paulista.

Além de São Paulo, Brasília, Porto Alegre, Rio de Janeiro e Goiás contam com unidades da marca.

“A Forever 21 irá fortalecer nosso mix de âncoras e será uma excelente novidade para o consumidor. Com a inauguração prevista para o último trimestre, será um verdadeiro presente de Natal para a região”, destaca o superintendente do Amazonas Shopping, Luiz Muniz, centro de compras que conta com mais de 300 operações, entre lojas âncoras e satélites, quiosques, salas de cinema, parque de diversão, bancos, praças de alimentação e um vasto mix de serviços.


O Shopping Ponta Negra não quis revelar sobre as novas operações que estão em negociação. Embora o shopping não confirme ainda, já é dado como certo que devem se instalar no centro de compras da zona Oeste as lojas Rosa Chá, a francesa Le Creuset, a Nike Factory, a Broksfield, Broksfield Junior e Broksfield Donna. O superintendente, Fábio Oliveira, garante que vem novidades por aí, com diversas marcas, algumas inéditas na região Norte.

‘Estamos trabalhando firmes e em breve anunciaremos a ampliação do nosso mix”, afirma.

No mês passado foi a vez do Manauara Shopping completar o time de novas operações, entre elas a joalheria Voughan (piso Tucumã), a grife Carmen Steffens Maison, o pet shop Pet Dreams e a franquia de alimentação Top Churro.

Além disso, as lojas da Ótica Oftalnorte, Tereza Solaris – rebatizada de Sapatilhas & Liberdade - e Santo Remédio foram reformadas.

Conhecida em São Paulo, a rede de fast food Ragazzo, que pertence ao grupo Habib’s, especializada em massas rápidas e lanches, abriu as portas em Manaus no mês de maio, na avenida Mario Ypiranga, 770, Adrianópolis, zona Sul da cidade.

Para garantir o atendimento diferenciado e padronizado, a loja Ragazzo Adrianópolis abriu cerca de 90 vagas para os cargos de chefe de cozinha, gerente, cumim, secretária financeira, supervisor e garçom.

Mais opções aos clientes

A importância econômica da região Norte para o varejo nacional explica o movimento: mais concorrência em todos os setores do comércio. O que significa venda diluída e mais estratégias para fidelizar os consumidores.

“A situação é que abriu muitas lojas e não tem público. Criou-se uma onda de abrir pequenos shoppings, além das 600 lojas que inauguraram no último trimestre do ano passado. A concorrência aumentou muito e com isso caiu o movimento de todo mundo. Há muitos mini-shoppings buscando franchising, o mercado só deve se reajustado em um ano”, avalia o presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas de Manaus (CDL-Manaus), Ralph Assayag.

Ralph vê o crescimento da concorrência no comércio como algo positivo, o que nunca havia acontecido neste nível. “O comércio está vendendo de 1% a 1,5% a mais que ano passado. O mesmo volume de vendas, mas com mais lojas”.

Segundo ele, a grande concorrência nas regiões Sudeste e Sul move o interesse das marcas expandirem para as capitais da região Norte, que têm pujança em número de habitantes e público consumidor.

Ele arrisca que se o momento econômico do país fosse mais favorável, haveria mais marcas interessadas em Manaus.

As vendas do comércio varejista do País fecharam o primeiro trimestre deste ano com queda de 0,8% na comparação com igual período de 2014, de acordo com a Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito).

Publicidade
Publicidade