Publicidade
Cotidiano
EDUCAÇÃO

Novas tecnologias contribuem e modificam forma de alfabetizar as crianças

No Dia Internacional da Alfabetização, nesta sexta-feira (08), professores avaliam os benefícios e o impacto das tecnologias no ensino 08/09/2017 às 14:16
Show ft
(Foto: Divulgação/Assessoria)
acritica.com

A forte presença de objetos como tablets, celulares e jogos eletrônicos, no dia a dia das crianças, tem modificado a forma de alfabetizar, nas escolas. Diferente de outras épocas em que a lousa, o caderno e o lápis eram os principais instrumentos para ensinar a ler e escrever, hoje, com o uso das tecnologias, novos recursos didáticos estão auxiliando no processo de aprendizagem. No Dia Internacional da Alfabetização, nesta sexta-feira (08), professores avaliam os benefícios e o impacto das tecnologias no ensino.

Segundo a educadora e presidente do Sindicato das Escolas Privadas do Amazonas (Sinepe/Am), Elaine Saldanha, as crianças estão indo para a escola com uma visão de mundo muito mais  ampliada. “Hoje, a criança tem contato, antes mesmo de ir para a escola, com computadores, tablets e outros objetos tecnológicos. A gama de conhecimento que levam de casa influencia diretamente no processo do ensino da leitura e da escrita”, explicou.

Ela ressalta que, com os aparelhos tecnológicos, as crianças têm contato com letras, números e imagens, antes mesmo de irem para a escola. “Muitos pais se surpreendem quando a criança pega o controle remoto da televisão e sabe ligar, desligar e mudar os canais. Eles memorizam os símbolos e associam com a ação que aquele ato de apertar determinado botão gera”, acrescenta.

A tecnologia tem papel importante durante o processo de alfabetização. “Enquanto estão mexendo em um computador ou tablet, as crianças desenvolvem a concentração e o raciocínio lógico. Isso contribui com a aprendizagem da leitura e da escrita”, detalhou.

A coordenadora de Ensino Fundamental do Colégio Martha Falcão, Ana Gláucia Claudino, destaca que o papel da escola é aproveitar o conhecimento que a criança leva de casa e trabalhar isso de forma organizada. “Com a tecnologia, nós rompemos com a forma de alfabetização tradicional, mas isso não significa que o formato antigo de ensinar deva ser esquecido. É preciso utilizar as informações que criança possui e transformar em conhecimento formal, de forma lúdica e prazerosa”, frisou.

Gláucia reforça que a alfabetização é um momento fantástico de descoberta do mundo para as crianças. Nesse período, somar recursos digitais às aulas ajuda a tornar o ambiente interativo, lúdico e também muito atrativo.

Conforme a coordenadora, os professores precisam estar preparados para essa nova forma de trabalhar. “O professor precisa ter domínio das novas tecnologias para aplicar em sala de aula, de forma a contribuir com a aprendizagem do aluno”, destacou.

*Com informações da assessoria de comunicação.

Publicidade
Publicidade