Quarta-feira, 24 de Abril de 2019
publicidade
1.jpg
publicidade
publicidade

Notícias

Novo concurso da Susam terá 261 vagas para fisioterapeutas

A legislação descumprida no Estado, as Resoluções RDC n°7 e nº 26 da Anvisa, está em vigor desde 2010 e estabelece os requisitos mínimos para o funcionamento das UTIs neonatais, pediátricas e adultas instaladas em hospitais públicos, privados ou filantrópicos – civis ou militares


26/04/2013 às 21:05

O novo concurso público da Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (Susam), que deve lançado até o final deste ano, prevê 261 vagas para fisioterapeutas, segundo afirmou, nesta sexta-feira (26), o secretário-executivo adjunto de Atenção Especializada da capital, Wagner William de Souza, durante audiência pública na Assembleia Legislativa do Estado.

De acordo com o secretário, a Casa Civil do governo trabalha na mensagem governamental que será enviada à Aleam e cria os cargos para o concurso público, que será anunciado oficialmente pelo governador.

A audiência, requerida pelo deputado estadual Luiz Castro (PPS), discutiu sobre a legislação que obriga a permanência dos profissionais nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) e que é descumprida na capital e no interior.

Para o presidente da Associação de Fisioterapeutas do Amazonas (Asfiam), o fisioterapeuta Daniel Xavier, a resposta da Susam atende em parte o pleito dos profissionais porque abrirá novos campos de trabalho para os profissionais formados. “Apesar de termos esse universo de 5 mil profissionais, sabemos que apenas 1,6 mil estão atuando no mercado, já que a oferta de vagas ainda é escassa. Estamos fazendo essa grande mobilização pra mudar a história da nossa categoria em Manaus e acreditamos que esse é o momento”, disse.

publicidade

Daniel ressaltou que praticamente todas as unidades de saúde do Estado e município, que possuem Unidades de Terapia Intensiva (UTIs), descumprem a legislação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que obriga a permanência de fisioterapeutas  pelo período mínimo de 18 horas.

O levantamento da Asfiam aponta a necessidade de contratação imediata de 76 profissionais para atuar nas UTIs da rede pública, incluindo as maternidades que possuem leitos de Unidades de Terapia Intensiva Neonatais.

De acordo com Daniel os prejuízos sofridos pelos pacientes por conta da falta de atendimento fisioterapêutico, já que o trabalho intensivo dos fisioterapeutas diminui o risco de complicações do quadro respiratório do paciente da UTI, reduz o sofrimento e permite a liberação mais rápida e segura das vagas dos leitos hospitalares. “A atuação do fisioterapeuta também diminui os riscos de infecção hospitalar e das vias respiratórias, proporcionando uma economia nos recursos financeiros que seriam usados na compra de antibióticos e outros medicamentos de alto custo”, afirmou.

*Com informações da assessoria de imprensa da Asfiam


publicidade
publicidade
Sejusc adota política para incentivar a independência financeira para mulheres
Crianças vacinadas contra H1N1 no Amazonas precisam tomar a 2ª dose
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.