Publicidade
Cotidiano
Saúde

Medidor de glicose permite monitoramento 24 horas por dia sem 'agulhada'

Chamado FreeStyle® Libre, a novidade da Abbott começou a ser vendida este mês no Brasil 11/06/2016 às 16:26 - Atualizado em 12/06/2016 às 07:35
Show 1092665
Composto por um leitor e um sensor, instalado na pele por 14 dias, ele permite medir os índices glicêmicos 24 horas por dia. (Reprodução)
Lídia Ferreira SÃO PAULO (SP)

Os números são altos e não param de crescer: 14,3 milhões de brasileiros são pessoas com diabetes. Metade delas nem sabem ainda. Para outra parcela, já em tratamento, monitorar é a chave do sucesso para ter qualidade de vida. A opção mais conhecida é a  popular “agulhada” e que agora pode ser substituída por um novo aparelho que funciona por escaneamento, mais prático e preciso. 

Chamado FreeStyle® Libre, a novidade da Abbott começou a ser vendida este mês no  Brasil. Composto por um leitor e um sensor, instalado na pele por 14 dias, ele permite medir os índices glicêmicos 24 horas por dia, com produção de relatórios e de uma maneira mais simples,  ou seja, basta a pessoa passar o leitor pelo sensor. Mas a questão vai além da praticidade, garante o endocrinologista João Eduardo Salles.

De acordo com o médico, o novo método permite detalhar qual o perfil do paciente, ou seja, quais os picos dele ao longo do dia, que refeições alteram mais os seus índices e qual a tendência do índice glicêmico, por exemplo. Tudo isso em tempo real. Para o exame destro chegar a essa precisão, que é a picada, a pessoa com diabetes precisa fazer a coleta ao acordar, antes e depois do café da manhã; antes e depois do jantar, do exercício físico e se acordar de madrugada, por exemplo. “Garanto que de 10 pacientes, se três fazem exatamente isso é muito. E quando ele faz a ponta de agulha é duas vezes na semana, ou seja, este tipo de coleta pega um momento estático da glicose”, explica. 

João Eduardo Salles ressalta ainda que o aparelho abre uma nova fronteira para entender como funciona a diabetes naquele paciente e, assim, definir o tratamento com mais precisão. “Ele mesmo passa de paciente para ‘agiente’, ou seja, ele começa a agir porque na hora que comete algum excesso está vendo no aparelho a alteração. Isso traz mais conscientização”, diz. Para um País onde a cada 20 segundos há a amputação de membros inferiores ou a cada seis segundos uma pessoa morre em consequência do  diabetes, a nova tecnologia é um mecanismo para frear esses altos índices.  “Os números são de uma epidemia. É uma doença séria e que a gente precisa tomar atitudes para melhorar   o diagnóstico e a conscientização.  O pior é que a tendência é piorar, pois a população brasileira está envelhecendo e cada dia mais obesa”, afirma.

 Convivendo com diabetes desde 1994, a jornalista e blogueira Bianca Fiori Vendramini tentou trazer o aparelho da Europa quando foi lançado lá, em 2014. “Já uso o sistema de bomba de insulina, mas ter algo que você fica 14 dias sem trocar e mais preciso, eu fiquei maravilhada porque o controle que você tem é fundamental. Estou há 22 anos sem nenhuma complicação justamente pelo meu controle”.

O aparelho é indicado para diabetes tipo I e II. Ele é pessoal, ou seja, só faz a leitura de um sensor por vez. “Se você escanear em outro sensor, ele não lê. Ele fica fixo por 14 dias, pode molhar, pode dormir, mergulhar, fazer atividade física, ou seja, ter uma rotina normal”, diz Sandro Rodrigues, da Abbott. 

As vendas  são apenas online, pelo site www.freestylelibre.com.br. Há uma lista de espera, mas a quantidade de pessoas na fila não foi divulgado. O preço do leitor é R$ 239,90 e cada sensor, com duração por 14 dias, custa R$ 239,90. Para o lançamento no Brasil, a Abbott está com um kit promocional contendo um leitor e dois sensores por  R$ 599,70 – valor sem o acréscimo do frete.

 “Na Europa,  a procura foi maior que a demanda no lançamento. Porém, para o paciente que foi vendido o aparelho tinhámos garantido a reposição do sensor. Por isso, decidimos fazer somente a venda online  no Brasil e desde fevereiro abrimos para a pré-venda para ter esse controle, explica Sandro. “A tendência é que a gente amplie essa demanda em breve. Na Europa já não tem mais fila devido o aumento da capacidade produtiva”, completa.

Serviço

O que é:  FreeStyle® Libre, fabricado pela Abbott  

Onde comprar:  www.freestylelibre.com.br.

Mais informações:  entrega para todo Brasil, com fila de espera realizada pelo site. 
 

* A jornalista viajou a convite da Abbott

Publicidade
Publicidade