Publicidade
Cotidiano
Notícias

Novos negócios: no compasso da corrida

Número crescente de praticantes do esporte estimula a venda de acessórios e o surgimento de empresas especializadas em eventos e consultoria esportiva  08/06/2013 às 19:17
Show 1
Corredores chegam a participar de duas provas no mesmo fim de semana, gastando, em média, R$ 50 em cada evento. Isso sem contar os investimentos em acessórios
ADAN GARANTIZADO E PRISCILA MESQUITA ---

Sábado e domingo são considerados os dias perfeitos para “desacelerar”. Mas uma tendência que tomou conta de Manaus nos últimos anos está contrariando a lógica. Acelerar é mais do que preciso nas corridas de rua que “invadiram” praticamente todos os finais de semana da capital amazonense.

Cada corrida reúne em média 2 mil pessoas. E além de um bom preparo físico, elas necessitam de uma série de serviços antes e depois do evento. Assim, segmentos como lojas de roupas e calçados de alta performance, personal trainners e até empresas voltadas para consultoria esportiva e organização de corridas (boa parte dos eventos cobra taxa de inscrição), aproveitaram-se deste filão para aumentar o faturamento e ampliar seus produtos, criando uma espécie de “indústria da corrida” ao redor do esporte.

Referência em materiais para prática esportiva, a Centauro precisou se reorganizar internamente para se tornar mais atraente aos “runners”. Se antes a entrada da loja abrigava os produtos casuais, a tendência trazida pelas corridas fez as coisas mudarem.

“Há um ano atrás, começamos a colocar os produtos de “running performance” na entrada da loja. E a procura é tanta que tivemos que diminuir espaços de outros produtos dentro da Centauro para dar maior destaque aos utilizados nas corridas. Até o número de araras com roupas de corrida cresceu”, revelou o gerente da Centauro do Manauara Shopping, Douglas Brasil.

Na loja, os produtos mais procurados são os tênis das marcas Mizuno e Asics (variam de R$ 350 a R$ 999,90) e roupas da Nike e Adidas, que possuem tecnologias que não deixam o suor acumular no corpo (a partir de R$ 69,90). Relógios que monitoram os batimentos cardíacos, calculam o número de passos durante a corrida e até o Índice de Massa Corpórea (IMC) também são encontrados na loja, a partir de R$ 139.

Na loja da Adidas, também no Manauara Shopping, os materiais de corrida lideram a procura. “A movimentação é muito grande. Nos últimos dias, apenas as novas camisas do Flamengo conseguiram ter uma procura maior do que os materiais para corrida”, contou a gerente da loja, Tereza Peixoto.

Na Adidas, os destaques de vestuário são os que possuem a tecnologia Climalite, que não deixa o tecido molhado de suor. A linha feminina sai por R$ 199,80 (top e short) e a masculina por R$ R$ 169,80 (regata e bermuda). Os destaques de calçados são as linhas Boost (R$ 499,90) e Adi zero (R$ 349), que reduzem os impactos na hora da pisada. Outros acessórios como bonés (R$ 49,90) e bolsas (R$ 79,90) também estão disponíveis.

Nas lojas de tênis, a indústria da corrida não alterou muito o cenário das vendas. “O fluxo do dia a dia permanece o mesmo. Lógico que nas proximidades de uma grande corrida, as vendas crescem um pouco. O público feminino é o que mais procura. E quanto mais colorido o tênis é, mais ele vende”, disse Emanuel Vale, gerente da By Tennis. Ele destacou os modelos Mizuno Wave Creation (R$ 649,90) e Asics Nimbus (R$ 599,90) como os campeões na loja.

Lojas nos eventos

 Além do comércio de materiais esportivos, algumas lojas passaram a agregar suas marcas às corridas de rua. A Track & Field, por exemplo, fará no mês de julho a sua segunda corrida, a “Track & Field Run Series”. A loja também já foi ponto de entrega de kits de algumas provas no ano passado. “Muita gente conheceu a loja após marcarmos presença em algumas corridas”, comentou a gerente Helena Cristina.

Além da variedade em vestuário esportivo masculino e feminino, a Track & Field se destaca pelos acessórios. As pochetes e porta-celulares (R$ 69) são alguns dos produtos mais procurados da marca. As garrafas de água com gel congelante custam o mesmo valor. Já os bonés com proteção UV (contra raios ultravioletas) custam R$ 59. As meias de compressão, que possuem tecnologia que melhora a circulação sanguínea durante as provas e minimizam até as celulites, saem por R$ 39.

A Centauro também adotou uma estratégia similar. “Quando alinhamos nossa marca com um evento, seja entregando kit, dando uma sacola, oferecendo descontos na loja ou cedendo espaço para divulgação do evento aqui, o movimento na loja aumenta. Nossa identificação era muito forte com o futebol e agora conquistamos a área de running”, frisou Douglas Brasil.

Serviços têm alta procura

 Em 2002, o empresário Antonio Neto encontrou na corrida o caminho para sair do sedentarismo. Nos anos seguintes, ele também ingressou no triathlon e se tornou um competidor de maratonas internacionais e outras competições de peso, como o Iron Man. Com o crescimento das corridas em Manaus, Neto percebeu que faltava na cidade uma empresa para cronometrar o tempo de prova dos participantes. Ele aproveitou essa oportunidade e há dois anos criou a Ativos Eventos.

O empresário, que também preside a Federação de Triathlon do Amazonas, afirma que cada corrida tem um custo diferente. Mas em uma prova simples de 5 km, com 2 mil pessoas, a Ativos cobra R$ 8 mil para fazer a cronometragem com os chips.

Outra atividade que cresceu no mercado foi a consultoria esportiva. O professor de Educação Física Marcio Soares, proprietário da empresa Marcio Soares Sports, já atende 70 clientes que praticam corrida e triathlon. Ele afirma que a orientação profissional deve ser uma preocupação de todos os que ingressam nos esportes. “Há muita gente correndo de modo empírico. Na empresa fazemos prescrição de treinos e trabalho personalizado para iniciantes e atletas de alta performance. Nossa sugestão é que a pessoa faça uma progressão segura”, explica.


Publicidade
Publicidade