Publicidade
Cotidiano
ELEIÇÕES 2018

Número de candidatos indígenas aumenta 46% no Brasil em quatros anos

No Amazonas, são 17 candidaturas e em toda a Região Norte somam 40% do total de postulações no território nacional 26/08/2018 às 07:51
Show ind genas f648c451 6374 47e4 8ef3 811615c8f521
Foto: Divulgação
Antônio Paulo Brasília (DF)

Ausentes do parlamento brasileiro há três décadas, os povos indígenas do Brasil chegam às eleições gerais de 2018 com um número crescente de candidatos, 46% a mais que 2014. São 124 índios espalhados em 25 estados. No Amazonas, são 17 candidaturas e em toda a Região Norte somam 40% do total de postulações em todo o território nacional.

Eles pretendem disputar  todos os cargos disponíveis. Além do General Mourão (PRTB) e de Sônia Guajajara (Psol), que concorrem à Vice-Presidência nas chapas de Jair Bolsonaro (PSL) e Guilherme Boulos (Psol), respectivamente, no pleito deste ano há dois candidatos indígenas a governador; um a vice-governador; dois concorrem ao Senado, 39 candidatos indígenas à Câmara dos Deputados e 78 candidatos às Assembleias Legislativas e à Câmara Distrital de Brasília.

Entre os 17 candidatos amazonenses está o ex-coordenador da Coiab-Amazônia, da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) e membro do Conselho Nacional de Política Indigenista (CNPI/MJ), Marcos Apurinã. Concorrendo a uma das oito vagas de deputado federal pelo partido Democracia Cristã (DC), ele diz que “esse momento é ímpar” porque os povos indígenas do Brasil querem conquistar o seu devido espaço na política e no Parlamento brasileiro ausente desde a década de 1980, na Constituinte, quando teve um representante (Mario Juruna).

“De lá para cá, a causa indígena tem estado em outras e poucas mãos. Agora, quando essas candidaturas se apresentam nesse volume, inclusive com dois candidatos a vice-presidente, demonstra o desejo e a esperança de tomarmos as rédeas das nossas reivindicações visto sermos 1 milhão de indígenas espalhados em 13% do território nacional”, justifica Marcos Apurinã.

PSol na frente

O Partido Socialismo e Liberdade (PSol) do Amazonas é o com o maior número de candidatos indígenas. São quatro ao todo, sendo uma a deputada federal e três ao mandato de deputado estadual. Pelo PRTB, três indígenas concorrem as 24 vagas da Assembleia Legislativa do Estado; o PT, PSC, Solidariedade têm dois candidatos índios a deputados estaduais e o Democracia Cristã também está na eleição de 2018 com dois nomes só que para a Câmara dos Deputados. O Avante concorre com um candidato a deputado federal. A Rede Sustentabilidade chegou a lançar a candidatura de Gersem Baniwa, mas o professor-doutor em Antropologia Social desistiu de concorrer ao cargo de deputado estadual.

Saiba mais: Mourão e os índios

O partido com a maior quantidade de candidatos indígenas é o PSol: 25. A líder indígena Sônia Guajajara pertence à sigla. O PT é o 2º, com 17 pretendentes, seguido pelo PC do B, com 9, e o PHS, com 7. Já o partido de Mourão (PRTB) tem cinco candidaturas. O general da reserva afirmou que decidiu se registrar como indígena por não ser “nem branco, nem pardo” e filhos de índios. A medida veio logo após ele se envolver numa polêmica ao afirma que os brasileiros herdaram a indolência deste povo. Amazonas e Roraima são os estados com mais pessoas que se identificam como indígenas nestas eleições: 17 candidatos cada. Em seguida, aparecem: Ceará (17), São Paulo (9) e Mato Grosso do Sul (8). O Goiás e o Piauí são os únicos Estados onde não há nenhum postulante que se considera índio.

Candidata a deputada estadual pelo PSOL

Uma das 17 candidaturas indígenas concorrente a uma das 24 vagas da ALE é da indígena trans Josefa Teixeira dos Santos que adotou o nome na urna eletrônica de Cuiu Cuiu.  “Tenho 27 anos, nasci em Colônia Boa Esperança Zé Açu, Município de Parintins e vim Morar em Manaus a 360 km da minha cidade Natal. Sempre estudei até concluir o ensino médio. Atualmente estou numa luta por moradia digna no Movimento de Luta Indígena Pelos Sem Terra. Sou uma pessoa que gosta de lutar pelo direito do povo. Se for eleito lutarei pela saúde, educação, transporte coletivo, renda de emprego e moradia digna”, diz Cuiu Cuiu ao se apresentar para o eleitor amazonense. Ao enaltecer a candidatura da parintinense, a presidente estadual do PSol, Pedrinha Lasmar, diz: “É um grande companheiro de luta em favor do seu povo”.

Publicidade
Publicidade