Publicidade
Cotidiano
Notícias

Números de incidentes aéreos são ‘camuflados’ no Amazonas

Segundo relatório do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos, de 43 aeródromos do Estado apenas três reportaram incidentes 16/10/2014 às 10:12
Show 1
Sem os números exatos dos casos de incidentes aéreos no Estado, o planejamento dos órgãos públicos para uma política aeronáutica eficaz se torna mais difícil, afirma comandante do Seripa VII
acyane do valle Manaus-AM

Dos 43 aeroportos e pistas de pouso existentes no Amazonas, apenas três informaram sobre incidentes aéreos envolvendo colisão, avistamento e quase colisão de aviões com aves e outros animais, de acordo com o relatório do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) - 2013.

A princípio, isso seria uma ótima notícia. O problema é que os operadores e pilotos não têm reportado ao Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa VII) e a outros órgãos da aviação a ocorrência desses incidentes, dando a falsa impressão de segurança nos aeródromos do interior, onde a maioria está sob responsabilidade das prefeituras.

Essa falta de informação também prejudica o planejamento de ações voltadas para a prevenção e controle de acidentes envolvendo fauna, conforme o chefe do Seripa VII, Ricardo do Carmo. O militar explicou que, apesar do trabalho de conscientização e orientação realizado pelo serviço, ainda falta o hábito ou a cultura dos operadores em reportar os incidentes aos órgãos de controle.

O último caso de colisão dessa natureza, registrado no Amazonas, aconteceu em Coari, no início de julho, quando uma aeronave colidiu com uma anta, na região de Urucu, mas não houve danos graves e todos os passageiros saíram ilesos. Este foi o acidente mais grave, reportado, envolvendo colisão com animais, entre janeiro e setembro de 2014. O aeroporto de Parintins, que recebe um grande fluxo de passageiros, principalmente na época do Festival Folclórico do município, já esteve fechado por oferecer risco ao tráfego aéreo em razão das aves (urubus) que sobrevoavam a região em função de uma lixeira, resultando em sérios prejuízos à economia parintinense.

No relatório do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) de 2013, disponibilizado no portal do órgão, somente os aeroportos de Manaus, Tabatinga e Tefé relataram ocorrências com a fauna no ano passado. No entanto, o Estado do Amazonas possui, no total, 43 aeródromos, conforme a relação do Seripa VII, sendo que 12 deles estão localizados no município de São Gabriel da Cachoeira (pistas de pouso em comunidades indígenas), e os demais na capital, Itacoatiara, Manicoré, São Paulo de Olivença, Barcelos, Barreirinha, Borba, Carauari, Atalaia do Norte, Eirunepé, Humaitá, Tefé, Tabatinga, Santo Antônio do Içá, Japurá, Coari, Lábrea, Maués, Novo Aripuanã, Boca do Acre, Nova Olinda do Norte, Fonte Boa, Parintins, Santa Isabel do Rio Negro, Pauini, Urucará e Apuí. Desses 43, seis atuam à noite.

O que diz a leiPelo Código Brasileiro de Aeronáutica (Lei 7.565/1986), aeródromo é toda área destinada a pouso, decolagem e movimentação de aeronaves e são classificados como militares e civis. Estes podem ser públicos ou privados.

Relatório revela os números

Pelo relatório do Cenipa, o aeroporto de Tabatinga registrou cinco colisões em 2013 entre os 3,3 mil movimentos de aeronaves realizados no local; Manaus reportou 42 colisões no ano passado dos 51,2 mil movimentos; e Tefé, cinco colisões, conforme o Ceripa, dentre os 7,4 mil movimentos com aviões no aeroporto do município. Em todo o Brasil, foram reportados 2,3 mil avistamentos, 1,6 mil colisões com aves, 517 quase colisões e 114 colisões com outros animais.

Na lista geral do relatório por tipo de fauna, os incidentes com maior número de reportes, no Brasil, envolveram o pássaro quero-quero, encontrado da Argentina até a margem direita do Baixo Amazonas. O urubu aparece em quarto lugar entre os animais identificados, no levantamento do Cenipa. As colisões ou outros incidentes acontecem, principalmente, na decolagem (437 informes) e no pouso (459 registros).

Publicidade
Publicidade