Terça-feira, 15 de Junho de 2021
Jacarezinho

Operação da polícia no Rio de Janeiro deixa 25 mortos

A operação foi deflagrada por causa de uma investigação sobre uma quadrilha que recrutava crianças e adolescentes para o tráfico de drogas, roubos, sequestros e homicídios, informou a Polícia Civil, que não comunicou de imediato o balanço oficial de mortos



685e831d-operacao-960x640_40135BEC-1007-4BEB-9AD2-83299782EA63.jpg Foto: Reprodução/Internet
News thumb afp d084093c bf21 4ede 853c 0cfb6068260d AFP
06/05/2021 às 17:11

Pelo menos 25 pessoas, incluindo um policial, morreram nesta quinta-feira (6) em uma operação contra o tráfico de drogas em uma comunidade do Rio de Janeiro, informaram fontes policiais citadas pela imprensa.

Segundo pesquisadores da área, se o número de mortos for confirmado, está será a operação policial mais letal da história do Rio. 



Um grande número de agentes foi enviado desde a madrugada para a favela do Jacarezinho, na Zona Norte da cidade, que se transformou em campo de batalha.

Moradores relataram tiroteios intensos, com helicópteros sobrevoando casas, pessoas mortas em terraços e becos e corpos carregados por caminhões blindados da polícia, informou à AFP um líder comunitário, que pediu para não ser identificado por motivos de segurança. 

A operação foi deflagrada por causa de uma investigação sobre uma quadrilha que recrutava crianças e adolescentes para o tráfico de drogas, roubos, sequestros e homicídios, informou a Polícia Civil, que não comunicou de imediato o balanço oficial de mortos.

Operação mais letal

"Se pensar em chacinas com participação de policiais fora de serviço (operações de vingança ilegais) temos Vigário Geral com 22 (mortos) e Candelária com 7 (mortos), ambas em 1993", disse Silvia Ramos à AFP, pesquisadora do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Cândido Mendes.

"Mas mortos em operações legais, essa de hoje do Jacarezinho bateu todos os recordes", acrescentou.

O Jacarezinho é considerado a base do Comando Vermelho, principal organização do narcotráfico do Rio. 

Fotos que circulam entre os moradores nas redes sociais mostram corpos em várias partes do bairro.

Os tiroteios feriram dois passageiros do metrô, que circula na superfície daquela parte da cidade, segundo reportagens, mostrando pessoas sendo atendidas na plataforma. 

Grandes grupos de policiais se espalharam pelo bairro, enquanto moradores assustados tentavam trabalhar e retomar suas atividades quando o tiroteio terminou, relatou um fotógrafo da AFP. 

Integrantes de ONGs de defesa dos direitos humanos foram à favela e, junto com os moradores, fiscalizaram as casas que foram invadidas durante a ação policial, algumas com vestígios de sangue e destruição.

Segundo a plataforma digital Fogo Cruzado, que reúne dados sobre a violência no Rio, esta é a ação com maior número de mortes desde o início dos registros, em 2016.

"A polícia empilha corpos de jovens negros de favelas e diz: são todos criminosos. Mas quais são os nomes desses jovens, que dados eles tinham, onde estão as famílias desses jovens? É muito simples dizer que são todos criminosos. Não é possível seguir matando gente assim" sem apresentar provas, acrescenta Ramos. 


Mais de Acritica.com

15 Jun
WhatsApp_Image_2021-06-15_at_20.54.40_91E6878E-6D07-4166-9A69-6811292E621D.jpeg

Homem é morto a tiros e outro fica ferido na Compensa

15/06/2021 às 21:03

Felipe Siqueira Pereira, 30, foi morto a tiros na rua Cristo Rei, situada no bairro Compensa, Zona Oeste da cidade, na noite desta terça-feira (14). O primo dele, Wilian Siqueira Pereira, 36, foi atingido por disparos de arma de fogo ao entrar em luta corporal contra o assassino no intuito de salvar o familiar. 


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.