Publicidade
Cotidiano
CORRUPÇÃO

Operação investiga corrupção e fraudes em contratos de R$ 80 mi no Porto de Santos

Operação investiga corrupção e fraudes em contratos de R$ 80 mi no Porto de Santos 31/10/2018 às 09:52
Show porto de santos ea8cfdca aeee 4a0b 879c 719afbe007a9
Foto: Fernando Donasci/Reuters
Reuters Santos

A Justiça Federal de Santos decretou sete mandados de prisão, a pedido da Polícia Federal e do Ministério Público Federal, contra pessoas suspeitas de participação em um esquema de corrupção e fraudes em contratos do Porto de Santos e da Secretaria de Portos do Ministério dos Transportes que somam 80 milhões de reais, informou o MPF nesta quarta-feira (31).

O presidente da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), empresa que administra o Porto de Santos, José Alex Oliva, foi preso no Rio de Janeiro como parte da chamada operação Tritão, de acordo com a TV Globo.

O MPF, que não nomeou os alvos dos mandados de prisão, disse que os suspeitos com prisão decretada são ligadas à Codesp e a empresas de tecnologia vencedoras de contratos fraudados. Além das prisões, foram expedidos 21 mandados de busca e apreensão a serem cumpridos nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Ceará, além do Distrito Federal.

“A investigação apura a atuação de uma organização criminosa, que por meio de corrupção, formou cartel e fraudou licitações em contratos de Informática no Porto de Santos e na Secretaria de Portos do Ministério dos Transportes. Os contratos fraudados somam 80 milhões de reais”, disse o MPF em comunicado. Segundo o MPF, as fraudes ocorreram principalmente em serviços de digitalização de documentos e dragagem.

Em nota separada, a Polícia Federal disse que as investigações começaram em setembro de 2016 devido a um vídeo “no qual um assessor do presidente da Codesp confessava a prática de diversos delitos ocorridos no âmbito daquela empresa”.

Além do MPF e da PF, também participam das investigações a Controladoria Geral da União (CGU), o Tribunal de Contas da União (TCU) e a Receita Federal. A Codesp não respondeu de imediato a um pedido de comentário sobre a investigação, assim como o Ministério dos Transportes, Portes e Aviação Civil.

Publicidade
Publicidade