Terça-feira, 22 de Setembro de 2020
Notícias

‘Os conjuntos são fornos de microondas’, diz Marcelo Dutra em entrevista

Titular da Semmas critica lógica de derrubar árvores para viabilizar obras executadas pela Prefeitura de Manaus e Governo do Estado



1.jpg Marcelo Dutra critica derrubamento de árvores
05/11/2012 às 08:51

O plano de arborização que está sendo executado em Manaus causará impacto significativo no clima, na paisagem e como um padrão a ser seguido por outras capitais. Segundo o titular da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas), Marcelo Dutra, para que a medida venha a ser contemplada daqui a alguns anos, tem que haver compreensão da população de forma que todos contribuam para a formação do plano. Entre as medidas está o plantio de 667 mudas no Centro e nas principais vias da cidade. Dutra critica a falta de planejamento arbóreo nos novos conjuntos habitacionais, inaugurados há pouco tempo, e o planejamento errôneo da Prefeitura e do Governo na execução das obras. Segundo ele, os patrimônios arbóreos são arrancados para depois começar a edificação, o que seria um erro. Confira a entrevista concedida por Marcelo Dutra.

Muitos ambientalistas e especialistas no assunto criticam a falta de árvores em determinados pontos em Manaus. A cidade está descoberta de árvores?



Até hoje estou esperando a metodologia científica utilizada para informar o dado dessa pesquisa. Por exemplo, não consideraram as áreas institucionais, o aeroporto, o Inpa, a Ufam, a Reserva Adolpho Ducke e a área da Ponta Negra, além das diversas outras unidades e os quintais residenciais. Se observarmos Curitiba, ela é ambientalmente linda, mas, se observarmos a vista aérea podemos constatar que são apenas lavouras e nada mais. Manaus tem degradações urbanas, mas a vista aérea tem uma exuberante floresta amazônica no entorno.  Portanto, Manaus é arborizada sim.

E quanto às vias públicas?

Sim, se analisarmos por vias públicas podemos constatar algumas, mas estas já estão sendo cobertas pelo plantio de mudas. Mas se hoje a cidade não está totalmente arborizada é porque o Governo do Estado e a Prefeitura Municipal têm por tradição e cultura arrancar o patrimônio arbóreo e fazer a obra, para depois fazer paisagismo, ao invés de fazer a supressão vegetal só do ponto onde a obra será necessária. E se essa obra vai ficar pronta daqui a cinco anos, o correto é arborizar uma etapa da obra para que o patrimônio arbóreo fique pronto junto com a edificação, mas isso não ocorre. Depois da inauguração colocam uns gravetos no local. Se alguém plantar tudo bem, se alguém cuidar tudo bem. É assim que se vem lidando.

Mas que exemplo de via principal arborizada o secretário pode nos dar?

Na avenida André Araújo, no Aleixo, ela está arborizada, mas quem passa pelo local diz que não está. A via não tem árvores mas está arborizada com mudas. É cultura da nossa terra exigirmos, cobrarmos e não entendermos e não participarmos. As pessoas não interagem com isso.

(A íntegra deste conteúdo está disponível para assinantes digitais ou na versão impressa).


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.