Publicidade
Cotidiano
Notícias

‘Os resultados da gestão Eron são muito pífios’, diz deputado Sidney Leite em entrevista

Único deputado eleito pelo partido do governador, cotado para assumir a Secretaria Estadual de Produção, faz críticas à atuação do PCdoB na pasta e afirma que pode disputar a presidência da ALE 16/11/2014 às 13:55
Show 1
Sidney Leite, deputado estadual
luciano falbo ---

Atual líder do governador José Melo (Pros) na Assembleia Legislativa do Estado (ALE-AM), o deputado Sidney Leite (Pros) não dá como encerrada a discussão pela presidência da Casa, nem mesmo depois de ser anunciado aos colegas como novo secretário de Produção Rural (Sepror).

Para A CRÍTICA, o parlamentar fala sobre o que acredita que deve ser prioridade no setor primário do Amazonas. E sobre a atual conjuntura política do Estado, na relação de forças entre José Melo e por Eduardo Braga (PMDB). Confira trechos da entrevista.

O senhor acredita que esse “blocão” de oposição anunciado pelo senador Eduardo Braga pode trazer algum tipo de dor de cabeça para o governo?

Eu entendo que é natural que num governo nós tenhamos uma situação e uma oposição.

Mas, uma oposição desse tamanho os governadores do Amazonas nunca tiveram...

Uma coisa é a decisão de partidos, outra coisa é o parlamento. Não estou dizendo que os parlamentares eleitos pela oposição não vão obedecer a orientação partidária. Mas o compromisso que nós, deputados, temos com a população é de fazer o correto. Oposição é fundamental.

Como o senhor avalia a crítica do senador em relação à sua indicação para a Sepror, quando ele diz que o governador havia prometido fazer uma indicação técnica para a pasta e que o senhor tem um perfil político?

Quem nomeia é o governador e quem ganhou a eleição foi o professor José Melo e não o senador Braga. O atual secretário de Educação não é professor e tem atuação muito positiva. No próprio governo que o senador é líder, a maioria dos ministros é nomeado por critérios políticos. Nós tínhamos um secretário (Eron Bezerra) que é agrônomo. Eu não tenho nada contra a pessoa, mas os resultados dele na Secretaria de Produção são questionáveis.

Já que o senhor falou indiretamente do ex-secretário Eron Bezerra, qual a sua avaliação da passagem dele na Sepror?

Os resultados são muito pífios. Essa é a minha avaliação e de muitas pessoas, muitos prefeitos. Esse setor é um grande desafio do governo.

Para o senhor, quais são os maiores desafios do setor agropecuário no Amazonas?

Existem muitas culturas no Amazonas que são possíveis de serem exploradas, mas que não são produzidas em plenitude. Em segmentos simples, como a produção de mandioca e banana, não conseguimos ser autossuficientes. Entendo que o Estado não pode mais abrir mão da adoção de tecnologia, principalmente da mecanização. O governo tem que promover e avançar na questão da regularização fundiária para que o produtor tenha acesso a crédito mais robusto.

E o que é necessário fazer para ampliar esse crédito?

Precisamos ter garantia real, que nós só vamos ter com regularização fundiária, com o dono da terra não ser só dono de fato, mas de direito. E também de investimentos para que a gente possa melhorar a assistência técnica e o escoamento da produção, que passa pelas estradas vicinais, passa por aquisição de tratores e política de fomento.

É possível conciliar produção agropecuária com conservação da biodiversidade?

Acredito que sim. Temos que observar o zoneamento. Hoje temos uma quantidade significativa de áreas que são preservadas por lei e temos outras áreas que pertencem à União e áreas que não são propícias para a agricultura. Se nós trabalharmos com mecanização e aproveitar as áreas degradadas, nós só aumentamos a produtividade e diminuimos o impacto ambiental. Eu defendo que o Estado crie condições e parcerias para elaborar os planos de manejo para o pequeno produtor.

Na campanha, o governador se comprometeu em aumentar os recursos do setor, mas o orçamento de 2015 da Sepror é menor que a previsão deste ano...

O orçamento foi elaborado independentemente de resultado de eleição. Há uma série de empenhos que são feitos logo no começo do ano, como folha de pagamento e os repasses, e também uma parte do empenho. O governo tem uma margem de remanejamento, que é histórica, de 40%. Se no meio do ano o governador quiser dobrar o orçamento da Sepror, em um ato ele faz isso. Isso não é dificuldade. Outra coisa é que o governador vai diminuir a máquina, vai extinguir e fundir secretarias para ter mais recursos para fazer investimentos em todos os setores, inclusive no primário.

O senhor já fala do setor primário como secretário. Aceitou do convite do governador para a Sepror?

Na realidade, vai chegar o momento de eu conversar com o governador. Eu estou aqui para somar e tenho responsabilidade com esse projeto. Eu sou vice-presidente do partido do governador, sou líder do governo e vou ter um espaço. E vamos chegar à conclusão em que posso somar e eu vou estar disposto.

Como estão as articulações pela presidência da Assembleia Legislativa?

Eu tive uma conversa com o deputado Josué Neto (PSD), ele na função de presidente e eu como líder do governo, no sentido de nós trabalharmos na construção de um nome do consenso. É uma conversa para construírmos uma mesa diretora a partir do diálogo, inclusive com deputados que não foram eleitos pela base, mas que nesse período não foram contra as matérias do governo e não se colocaram na oposição.

O senhor tem interesse em ser o presidente?

Tenho. Não ponho isso como questão de vida ou morte. Mas qual o deputado que não tem interesse na presidência? Se eu dissesse que não tenho, eu não estaria sendo verdadeiro. Começamos a conversa do consenso, mas ela ainda não acabou. Precisamos de maturidade na condução desse processo.

Numa eventual saída sua da ALE, qual o nome ideal para o cargo de líder do governo?

Temos vários nomes bons. Mas essa função é uma escolha pessoal do governador.

E quais habilidades são necessárias?

Primeiro, precisa ter trânsito na base e dentro do governo. Sem isso, ele terá dificuldades porque precisará de informações, não só com o chefe da Casa Civil, mas também com outras secretarias. Precisará estar afinado com as políticas do governo e manter uma boa relação com a oposição.

Politicamente, o que é melhor para um candidato à presidência da Assembleia ou à titularidade da Sepror?

O Belarmino Lins (PMDB), o Josué Neto e o Ricardo Nicolau (PSD) tiveram as maiores votações depois de passar pela presidência. Já a Sepror, historicamente, não tem dado grande visibilidade. Mas, veja, saí da Prefeitura de Maués para ser candidato a vice-governador. Peguei o Idam com um orçamento de R$ 11 milhões e entreguei com R$ 55 milhões, mantendo escritórios nos 61 municípios. Não estou dizendo que tiro leite de pedra, mas quando se tem boa vontade e se busca fazer, se faz.

Perfil

Nome: Sidney Ricardo de Oliveira Leite

Idade: 47 anos

Estudos: Superior incompleto

Experiência: Presidiu o Idam entre 1998 e 2000. Prefeito de Maués entre 2000 e 2008. Presidiu a Associação Amazonense de Municípios. Foi candidato a vice-governador na chapa de Amazonino em 2006. Se elegeu deputado em 2010 e foi reeleito em 2014.

Publicidade
Publicidade