Domingo, 16 de Maio de 2021
Impactos da Covid

Paciente que espera cirurgia no Platão Araújo deve ser transferida

A dona de casa Luzanira de Souza Lima, de 48 anos, se acidentou há 10 dias e fraturou o braço, mas ainda não conseguiu fazer a cirurgia devido à pandemia



WhatsApp_Image_2021-02-04_at_18.35.47_D32D7EA9-2696-4824-96F8-662FF2946677.jpeg Foto: Divulgação
04/02/2021 às 20:35

O caos no sistema de saúde do Amazonas, afetado pela pandemia de Covid-19, não atinge apenas os pacientes contaminados com o novo coronavírus. A dona de casa Luzanira de Souza Lima, de 48 anos, se acidentou há 10 dias e fraturou o braço. Ela imediatamente procurou atendimento no Hospital e Pronto-Socorro (HPS) Platão Araújo, na Zona Leste de Manaus, onde está até o momento sem conseguir atendimento, segundo informou à reportagem nesta quinta-feira (4).

“Eu vim na ortopedia e disseram que minha situação só cirurgia, e aí eu estou aqui desde esse dia que cheguei, estou sentada numa cadeira aqui do lado da porta da ortopedia e meu braço está bem inchado, minha mão também, não estou muito bem. Além disso, tem o perigo muito sério que é a contaminação com o vírus, essa sala aqui fica bem ao lado do corredor onde o pessoal com covid fica”, relatou.



Segundo Luzanira, ela e o esposo já pediram transferência para outro hospital. “Na sexta-feira eles deram a desculpa que no final de semana não pode, mas que segunda já iam me transferir. Na segunda eles vieram aqui e inventaram outra mentira dizendo que era pra nós aguardar que hoje, quinta-feira, a gente ia ser transferido para o Rio de Janeiro para fazer essa cirurgia lá. Só que é tudo mentira, não existia cirurgia, não existia passagem, nada disso, era só pra manter a gente mais esse tempo aqui”, disse.

Assim como Luzanira existem outros pacientes na mesma situação na sala onde ela aguarda atendimento. “Não é só o meu caso, tem várias pessoas aqui com o braço quebrado, perna quebrada, inclusive tem um senhorzinho aqui de 80 e poucos anos que também está correndo perigo de se contaminar. Há dois metros daqui é onde fica o povo [com covid], e fica tudo aberto, povo entra e sai, não tem condições de ficar aqui. A gente paga impostos, e no dia que a gente precisa é tratada assim”, desabafou.

Ainda segundo a dona de casa, a informação que eles receberam é que não há leitos disponíveis em outros hospitais para que seja feita a transferência dos pacientes. “Está muito complicada a minha situação, estou desesperada aqui, e esses dias estou praticamente sem dormir, porque passo dia e noite sentada e está muito complicado”, relatou a paciente.

A dona de casa disse que compreende a situação causada pela pandemia, mas não entende porque não há um hospital disponível para atender os outros casos. “Porque não existe só covid, existem outras doenças, os acidentes, as outras coisas que acontecem. Vai ter que morrer todo mundo porque não é mais atendido?”, questionou. “Meu braço não está nem com gesso, imobilizado, não tem nada, só cirurgia, eu estou só com uma tipoia no meu braço, e isso é o que me causa mais dor. Está bem complicada a minha situação”, completou.

A reportagem solicitou um posicionamento da Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (SES-AM) sobre a situação da paciente Luzanira Lima e de outros pacientes na mesma condição. A reportagem questionou o porquê de até o momento os pacientes não terem sido atendidos e se haveria uma previsão para resolver o problema.

Em nota, a SES disse que a direção do Hospital e Pronto-Socorro Platão Araújo informou que a paciente está recebendo todo o cuidado necessário e que já solicitou a transferência dela para outra unidade para conclusão do tratamento. “A direção reforça que a paciente está em área destinada ao fluxo dos casos clínicos cirúrgicos não COVID-19”, diz trecho da nota.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.