Publicidade
Cotidiano
CÂNCER

Pacientes com câncer morrem por falta de acesso e diagnóstico, diz OMS

Para o pesquisador Otávio Clarck, CEO da Evidências, empresa de pesquisa na área de saúde, o acesso aos tratamentos e medicamentos potencializam as mortes por câncer no Brasil e América Latina 06/05/2017 às 17:23
Show 1223437
Para o pesquisador e oncologista Otávio Clarck, as regiões Norte e Nordeste têm menor acesso aos tratamentos (Foto: Marcelo Ribeiro/ Divulgação)
Lídia Ferreira Manaus (AM)

Em 2015, um total de 8,8 milhões de pessoas morreram no mundo por câncer, segundo a Organização Mundial de Saúde. Cerca 70% dessas mortes ocorrem em países de baixa em média renda. A falta de acesso aos tratamentos é apontado como o principal motivo.

“Cada caso é bem específico, independente do tipo de câncer, depende do grau da doença, da resposta do organismo e outros fatores. Hoje temos cinco tipos de tratamento - radioterapia, quimioterapia, imunoterapia, hormonioterapia e cirurgia, além de novos medicamentos. Mas ainda precisamos avançar na assistência básica, desde o diagnóstico a estratégia de tratamento. Isso inclui desde a preparação da equipe médica até o paciente acessar aos tratamentos, o que no Brasil varia muito e se torna mais difícil no SUS”, destaca o oncologista Antônio C. Buzaid, diretor do Centro de Oncologia da Beneficência Portuguesa e membro do Centro Oncológico do hospital Albert Einsteinem, em São Paulo.

Para o pesquisador Otávio Clarck, CEO da Evidências, empresa de pesquisa na área de saúde, o acesso aos tratamentos e medicamentos potencializam as mortes por câncer no Brasil e América Latina. Ele destaca o Norte e Nordeste como as regiões com maior dificuldade de acessar às novas tecnologias médicas, especialmente na área oncológica. “O problema, como um todo no Brasil, é política pública e falta de gerenciamento. Nessas regiões são mais graves porque há muita imigração do interior para os centros e tratamento nas capitais, o que torna mais lotado”, destaca ele.

Para ele, outro ponto que atrasa os tratamentos é a fila de espera. “Temos novas tecnologias, mas baixo acesso, diferente de outros países desenvolvidos, onde o paciente acessa os tratamentos que precisa e sem demora. E quanto mais cedo o câncer é tratado, mais chance o paciente tem”, destaca o médico oncologista.

Números

Cerca de 60% das pessoas com câncer no Brasil, recebem o diagnóstico da doença em estágio avançado. Em todo o mundo, aproximadamente 8,2 milhões de mortes ocorrem todos os anos por causa do câncer. Atualmente, mais de 32,6 milhões de pessoas convivem com a doença. Apesar de ter menos casos, a América Latina é a que tem mais mortes.

Publicidade
Publicidade