Publicidade
Cotidiano
Notícias

Padrasto é preso suspeito de matar enteado com quem mantinha um caso amoroso

O crime aconteceu em maio deste ano num sítio localizado no município de Iranduba, onde o padrastro levava a vítima frequentemente. O suspeito é ex-presidiário e já havia cumprido há alguns anos as penas por tráfico de drogas e violência doméstica 11/11/2014 às 21:13
Show 1
A vítima foi morta com uma facada no pescoço no sítio que pertence ao amigo do suspeito
ACRITICA.COM* Manaus (AM)

A Polícia Civil de Iranduba (a 27 quilômetros a sudoeste de Manaus) prendeu na tarde desta terça-feira (11) Rui Grana de Oliveira, 33, suspeito pelo assassinato de seu enteado, Fábio Reis, de 14 anos, morto a facadas no sítio que frequentava nos finais semanas com seu padrastro. A prisão foi executada por policiais da 31ª Delegacia Interativa de Polícia (DIP), de Iranduba, na Região Metropolitana de Manaus.

Depoimentos da família, vizinhos e amigos, colhidos durante investigação, apontam que Rui Grana mantinha um relacionamento amoroso com o enteado. O crime aconteceu dia 12 de maio deste ano, quando ele matou com um golpe de faca no pescoço o adolescente Fábio durante uma viagem a um sítio localizado no Km 7, do ramal Janauari, que fica na estrada de acesso a Iranduba. O sítio servia de local para onde o homem levava o menino para manter relações amorosas. Em depoimento, ele declarou não lembrar de nada do que ocorreu, pois estaria sob efeito de bebida alcóolica.

O homem foi localizado e preso na manhã desta terça-feira no condomínio onde residia na BR-174, em Manaus.

Ex-presidiário

De acordo com investigações coordenadas pelo Titular da 31ª DIP, delegado Paulo Mavignier, o autor do crime é ex-presidiário e havia cumprido há alguns anos as penas por tráfico de drogas e violência doméstica. A prisão dele ocorreu em cumprimento a mandado de prisão por homicídio, expedido em 23 de maio de 2014, pela 2ª Vara Criminal do município.

Conforme as informações da delegacia, o preso possuía um relacionamento com a mãe do garoto há pelo menos três anos, e apesar da desconfiança dos vizinhos e familiares, em depoimento, ela negou ter conhecimento de qualquer relação entre os dois, argumentando que ele sempre foi um bom marido. A mãe do adolescente colaborou durante todo o processo de investigação.

Rui Grana trabalhava no município como auxiliar administrativo, e em depoimento ele negou ter mantido qualquer tipo de relação sexual com o enteado, declarando ainda não ter orientação homossexual. Segundo o depoimento do caseiro do sítio onde o menor foi encontrado morto, ele confirmou a presença dos dois no local e informou ainda que os mesmos já eram habituados a frequentar o local para encontros.

O homem permanecerá preso na carceragem da 31ª Delegacia Interativa de Iranduba, onde ficará à disposição da Justiça. Ele foi autuado por homicídio qualificado (Artigo 121 do CPB).


Publicidade
Publicidade