Quarta-feira, 15 de Julho de 2020
pontífice

Papa está preocupado com nacionalismos e populismo

Declarações foram dadas em meio à crise política deflagrada na Itália pela extrema direita de Matteo Salvini



PAPA_21462CB7-9431-4D99-B5BB-184052E7A762.JPG Foto: Reprodução/Internet
News thumb afp d084093c bf21 4ede 853c 0cfb6068260d AFP
09/08/2019 às 10:07

O papa Francisco criticou o nacionalismo por conduzir a guerras e acredita que o populismo não reflete a cultura popular, em uma entrevista publicada no jornal "La Stampa", em meio à crise política deflagrada na Itália pela extrema direita de Matteo Salvini.

"O nacionalismo é uma atitude de isolamento. Estou preocupado, porque ouvimos discursos que lembram os de Hitler em 1934. 'Primeiro nós. Nós... nós...': estes são pensamentos aterrorizantes", afirmou o pontífice.



Concedida dias antes da crise do governo protagonizada por Salvini, entre os líderes europeus da corrente nacionalista junto com o húngaro Viktor Orban e a francesa Marine Le Pen, a entrevista do papa argentino acontece em um momento delicado da política italiana.

"Um país deve ser soberano, mas não fechado. A soberania deve ser defendida, mas as relações com outros países e com a Comunidade Europeia também devem ser protegidas e promovidas. O nacionalismo é um exagero que sempre acaba mal: leva a guerras", acrescentou.

Questionado sobre o populismo, o papa, que vivenciou os anos de Domingo Perón em seu país, explicou que essa prática também "fecha as nações", caso do nacionalismo.

"No começo, não conseguia entender, porque, estudando Teologia, eu aprofundava o popularismo, isto é, a cultura do povo: uma coisa é que o povo que se expresse, e outra é impor ao povo a atitude populista. O povo é soberano (tem seu jeito de pensar, de se expressar e de sentir, de avaliar), mas os populismos nos levam ao nacionalismo: esse sufixo, 'ismos', nunca faz bem", insistiu.

Na entrevista, conduzida por Domenico Agasso, o pontífice falou também sobre Europa, Amazônia e meio ambiente.

"A Europa não deve ser desfeita, devemos salvá-la. Ela tem raízes humanas e cristãs. Uma mulher como Ursula von der Leyen pode reviver a força dos Pais Fundadores", disse ele, em referência à nova presidente da Comissão Europeia, eleita em 2 de julho passado.

Francisco também mencionou várias catástrofes ambientais, falou sobre a perda dos recursos do planeta e relembrou uma reunião recente com pescadores que lhe disseram que coletaram seis toneladas de plástico nos últimos meses.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.