Domingo, 16 de Fevereiro de 2020
NO VATICANO

Papa Francisco descarta ordenação de padres casados na Amazônia

Bispos conservadores temiam que mudança fosse um caminho que conduziria toda a Igreja a um sacerdócio passível a casamentos, motivo pelo qual classificaram a proposta como heresia



papa12_E06B4765-2A6C-460D-9C0C-63EFF5C5CE47.JPG Foto: Divulgação / REUTERS/Remo Casilli
12/02/2020 às 09:39

O papa Francisco, em uma das decisões mais significativas de seu pontificado, descartou nesta quarta-feira (12) uma proposta de permitir que alguns homens casados fossem ordenados padres na região amazônica para aliviar uma escassez aguda de sacerdotes no local.

A recomendação, apresentada por bispos latino-americanos em 2019, assustou os conservadores da Igreja Católica Romana, profundamente polarizada entre seus 1,3 bilhão de fiéis, que temia que isso pudesse levar a uma mudança no compromisso secular de celibato entre os padres.



O papa deu sua resposta em uma exortação apostólica, três meses após ela ser aprovada por 128 votos a 41 em um sínodo de bispos católicos romanos.

O documento de 32 páginas desta quarta-feira nem sequer mencionou a proposta, que era para diáconos mais velhos casados que são líderes comprovados de comunidades católicas remotas e têm famílias estáveis para serem ordenados como sacerdotes.

Hesitantes, os conservadores temiam que, apesar de limitada, a mudança fosse um caminho que conduziria toda a Igreja a um sacerdócio passível a casamentos, motivo pelo qual classificaram a proposta como heresia.

Na exortação, o argentino de 82 anos escreveu que novos caminhos devem ser encontrados para encorajar mais padres a trabalhar na região remota e permitir papéis expandidos para leigos e diáconos permanentes, dos quais a Amazônia precisa “muito mais”.

Como apenas os padres podem celebrar a missa, pessoas em ao menos 85% das aldeias amazônicas não podem participar da liturgia todas as semanas e algumas não o fazem há anos.

“Essa necessidade urgente me leva a exortar todos os bispos, especialmente os da América Latina...a serem mais generosos em incentivar aqueles que demonstram uma vocação missionária a optar pela região amazônica”, escreveu ele.

O pontífice usou os três primeiros capítulos do documento para defender os direitos e legados dos povos indígenas e o meio ambiente na Amazônia, que têm que ser protegidos por seu papel vital na mitigação do aquecimento global.

Os conservadores temiam que, se Francisco aceitasse a proposta, outros locais com escassez de padres seguiriam o modelo, mesmo em países desenvolvidos como a Alemanha, onde a questão está sendo discutida.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.