Publicidade
Cotidiano
PEDIDO

Papa Francisco pede à ONU a 'eliminação total' das armas nucleares

O pontífice ressaltou a sua 'preocupação' ante 'as consequências humanitárias e ambientais catastróficas derivadas de qualquer uso de armas nucleares' 28/03/2017 às 16:06 - Atualizado em 28/03/2017 às 16:08
Show sldkjflsd
Papa Francisco
Agência Télam

O papa Francisco afirmou hoje (28)  que "a eliminação das armas nucleares é um imperativo moral e humanitário" e disse que "a paz e a estabilidade internacional não podem estar fundadas sobre um  sentido falso de segurança", ao comentar os trabalhos da  Conferência das Nações Unidas sobre Segurança e Desarmamento Nuclear que está sendo boicotada pelas grandes potências. As informações são da agência de notícias argentina Télam.

Em uma carta enviada à reunião de cúpula da ONU que busca a proibição total das armas nucleares iniciada ontem (27) em Nova York, o pontífice ressaltou a sua "preocupação" ante "as consequências humanitárias e ambientais catastróficas derivadas de qualquer uso de armas nucleares, com efeitos indiscriminados e incontroláveis devastadores no tempo e no espaço".

Membros vetaram

De todo modo, os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas (Estados Unidos, Rússia, Reino Unido, França e China) não participaram do encontro que acontece até esta quinta-feira (30), apesar deles possuírem arsenais atômicos, junto com outros países nucleares como Índia, Paquistão, Israel e Coreia do Norte.

O encontro desta semana, do qual participam mais de 100 países, contou com o impulso da Áustria, Brasil, África do Sul, Irlanda, México e Suécia e terá uma segunda rodada em  junho próximo.

A negociação intergovernamental se realiza em virtude de uma resolução aprovada pela Assembleia Geral da ONU em dezembro de 2016, que lhe deu a responsabilidade de considerar todos os procedimentos e assuntos organizativos para lograr um protocolo vinculante para declarar "ilegais" as armas nucleares.

Publicidade
Publicidade