Sábado, 17 de Agosto de 2019
EM BAIXA

Para 58% dos brasileiros, Governo Bolsonaro não realizou nenhuma medida positiva

Pesquisa Datafolha aponta que em seis meses de gestão, Bolsonaro é mais criticado por mulheres (46%), e a alteração no horário de verão foi apoiada por apenas 1% dos entrevistados



hudshasiiaia_346B231B-F417-4702-A294-5611D5348CEA.JPG Adriano Machado/Reuters
22/07/2019 às 14:30

Dados da pesquisa Datafolha divulgados na manhã desta segunda-feira (22), apontam que 4 em cada 10 brasileiros não conseguem citar uma medida positiva ou de destaque dos primeiros seis meses do governo de Jair Bolsonaro.

Questionados sobre o que de melhor havia feito o presidente no período, 39% dos entrevistados responderam "nada". Outros 19% não souberam responder à pergunta. A pesquisa foi realizada entre os dias 4 e 5 de julho, sendo entrevistadas 2.860 pessoas, em 130 cidades.

De acordo com o instituto, o percentual de brasileiros que não destacam qualquer ação positiva do governo no período ("nada"), é maior entre as mulheres. A desaprovação do governo para este público de mulheres no Nordeste vai para 45%; e 52% para fiéis de religiões de matriz africana. O número chega a 76% na faixa dos que avaliam a gestão como "ruim ou péssima".

Dos entrevistados que afirmaram ter votado no então candidato do Partido Social Liberal (PSL) para presidente, 17% responderam não ver o que destacar positivamente das ações do governo. Enquanto isso, 8% das pessoas ouvidas na pesquisa avaliaram haver avanços na segurança. Os que mais se referiram à segurança como o melhor do governo foram os homens e habitantes do Norte e do Centro Oeste (11%).

Medidas de governo

De acordo com a pesquisa, 7% elogiaram a proposta da reforma da Previdência e 4% elencaram o combate à corrupção como medidas positivas da gestão Bolsonaro. Para 4%, merece destaque a iniciativa de flexibilizar o porte e a posse de armas no país e, para 1%, as de acabar com o horário de verão e nomear Sérgio Moro para chefiar o Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP). As relações comerciais firmadas pelo Itamaraty com outros governos, foi lembrada por 2% e os ministros escolhidos, por 1% dos entrevistados.

Os decretos das armas aparecem em primeiro lugar entre as iniciativas ruins, mencionadas por 21% dos entrevistados. O repúdio é maior entre os negros (25%) e espíritas (28%).

Logo em seguida na lista de piores medidas vem a reforma da Previdência (12%) e imagem pública (9%), que leva em conta as recentes declarações de Bolsonaro consideradas desnecessárias ou ofensivas, e também sobre a relação com os filhos no ambiente público.

Por outro lado, quando questionados o que Bolsonaro teria feito de pior, 18% disseram que nada. Esse número passa para 22% entre os evangélicos, para 24% na região Sul, para 25% entre os amarelos e os que têm 60 anos ou mais e para 36% entre os que avaliam o governo como ótimo ou bom.

Outros 3% elegeram os cortes de verbas na educação e 1% citaram racismo ou homofobia e aumento do desemprego, entre outras respostas.

A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos, e o índice de confiança é 95%.

Receba Novidades

* campo obrigatório
News portal1 841523c7 f273 4620 9850 2a115840b1c3
Jornalismo com credibilidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.