Quinta-feira, 21 de Novembro de 2019
Notícias

Para alertar sobre sexo seguro, Ministério da Saúde usa perfil falso no aplicativo Tinder

'Precisamos chegar ao público jovem, tanto o heterossexual quanto o homossexual, em uma linguagem direta', disse o ministro



1.jpg Modelos de perfis no aplicativo Tinder
09/02/2015 às 16:30

Aplicativos de smartphones usados para marcar encontros casuais entraram neste ano na mira da campanha de prevenção do Ministério da Saúde contra doenças sexualmente transmissíveis (DSTs). Para conscientizar usuários dispostos a ter relações sexuais sem camisinha, o ministério divulgou nesta segunda-feira (9) perfis falsos em dois aplicativos, alertando quem interagir com eles buscando um encontro desprotegido. 

Os aplicativos escolhidos foram o Tinder, que tem público de todas as orientações sexuais, e o Hornet, usado principalmente por homens que fazem sexo com outros homens.



"Precisamos chegar ao público jovem, tanto o heterossexual quanto o homossexual, em uma linguagem direta, informativa e esclarecedora, que convoque os adolescentes e jovens a fazerem sexo com segurança", disse o ministro da Saúde, Arthur Chioro, ao participar nesta quarta-feira da divulgação da campanha de prevenção às DST/Aids, na quadra da Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira, na Zona Norte da cidade do Rio de Janeiro.

Cinco perfis foram criados nos aplicativos, três de homens e dois de mulheres. Na descrição, os usuários fake, como são chamados na linguagem dos internautas, declaram-se dispostos a sexo "sem camisinha e sem frescura", o que atraiu outros usuários dos aplicativos. Quando os usuários interagiam, no entanto, o perfil se declarava falso e alertava para a necessidade de não abrir mão do sexo seguro.

O ministro destacou que a campanha faz parte de um conjunto de novas estratégias para combater o avanço da epidemia de Aids. Desde 1º de dezembro, o ministério adotou uma política de também encarar como prevenção a execução de testes rápidos e o tratamento imediato assim que a presença do vírus é detectada.

"O tratamento também passa a ser prevenção", disse o ministro, ao explicar que, quando um soropositivo é diagnosticado e tratado, a transmissão do vírus é interrompida no momento em que a carga viral fica indetectável no sangue.

O órgão quer conscientizar a população de que não existem grupos de risco, e, sim, comportamentos de risco, como deixar de usar a camisinha em relações sexuais. "Isso nos fez muito mal, e pessoas deixaram de se prevenir por se achar fora do grupo de risco, pensando, 'eu não sou gay, e não uso drogas, então, não preciso me prevenir'", disse o coordenador da Coordenadoria Especial de Diversidade Sexual (Ceds) da Prefeitura do Rio, Carlos Tufvesson.

Ele alertou a população para a necessidade de fazer a profilaxia pós-exposição a situações de risco. Em caso de sexo sem camisinha, ou quando o preservativo estourar, é possível conter a infecção pelo vírus HIV procurando com urgência uma unidade de saúde e iniciando o tratamento com antiretrovirais, que dura cerca de um mês, disse Tufvesson.

Além disso, Tufvesson recomenda que se faça o teste para HIV com regularidade semestral para qualquer pessoa com vida sexualmente ativa: "A prevenção é responsabilidade de cada um."


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.