Sexta-feira, 13 de Dezembro de 2019
Notícias

Pedido da Amazon prejudica interesses de oito países, diz Vanessa Grazziotin

Oito países perderão o direito de usar o termo “amazon” caso o pedido da empresa norte americana para registro seja aceito



1.jpg Vanessa Grazziotin
23/05/2013 às 10:01

Em pronunciamento nesta quinta-feira (23), a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) rechaçou iniciativa da empresa varejista Amazon, que ingressou com pedido em órgão internacional em que requer o uso exclusivo de domínios com o nome "amazon".

Vanessa disse que o pedido contraria o interesse dos oito países que compõem o bioma amazônico (Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela), que ficarão impedidos de usar o termo "amazon" na internet caso o pedido da empresa norte americana seja aceito pela Corporação da Internet para Designação de Nomes e Números (Icann, em inglês).



A decisão sai em julho, disse Vanessa, para quem “o Icann não pode acatar o interesse de uma empresa privada, passando por cima do interesse de oito países”. Nesta sexta-feira (24), a senadora participará de reunião do Comitê Gestor da Internet no Brasil para debater o assunto.

Na semana passada, o Senado também aprovou requerimento de Vanessa para que o tema seja debatido em audiência pública, em data a ser marcada, com a presença de autoridades da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA), Itamaraty, Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) e representante da Icann no Brasil.

Em aparte, o senador Valdir Raupp (PMDB-RO) associou-se ao pronunciamento de Vanessa e disse que "Amazônia" é o segundo nome mais lembrado do mundo, dada a importância da preservação ambiental nos dias atuais e a cobiça internacional pelas riquezas da região.

“Já levaram no passado e depois devolveram a marca ‘açaí’ e ‘cupuaçu’. Agora é o nome da Amazônia”, lamentou.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.