Publicidade
Cotidiano
APRESENTAÇÃO

Peritos do AM apresentam trabalhos científicos em evento forense

Com pesquisas que retratam o dia-a-dia do trabalho pericial no Amazonas, os profissionais embarcam para a capital catarinense cheios de expectativas 23/08/2017 às 15:29 - Atualizado em 23/08/2017 às 15:36
Show peritos
(Foto: Divulgação/Assessoria)
acritica.com Manaus (AM)

Vinte Peritos Oficiais do Amazonas apresentarão trabalhos científicos no XXIV do Congresso Nacional de Criminalística, maior evento de Perícia Criminal e Ciência Forense da América Latina, que acontecerá nos de 2 a 6 de outubro na cidade de Florianópolis (SC). Com pesquisas que retratam o dia-a-dia do trabalho pericial no Amazonas, os profissionais embarcam para a capital catarinense cheios de expectativas.

Um dos trabalhos selecionados pela organização do evento, e que será apresentado no congresso é o dos peritos Cícero Costa, Francivaldo Versiani e Marcelo Neves. Intitulado “Sulco ascendente e interrompido ao nível do nó, cuidado, pode ser homicídio!”, o projeto tem o objetivo de chamar a atenção de todos para a importância da perícia criminal, sem a qual, um crime de homicídio poderia ser facilmente confundido com um suicídio.

De acordo com Cícero Costa, a pesquisa apresenta um caso de uma morte ocorrida na região metropolitana de Manaus no segundo semestre de 2016. “O fato foi apresentado ao Instituto de Criminalística (IC) como se fosse um suicídio. Porém, no final da análise e de alguns exames laboratoriais e de genética, foi finalizado como homicídio”, explicou o perito. Segundo ele, tal equívoco acontece com frequência em municípios do interior do Estado onde não é realizado o trabalho de perícia criminal.

Já o trabalho da perita Hana Choji segue no mesmo caminho da investigação, mas com uma conclusão diferente. A pesquisa “Esgorjamento homicida ou suicida? Diagnose diferencial a partir dos vestígios deixados no local” é um relato de caso que descartou o homicídio, após evidências apontarem que se tratava de um suicídio. Neste caso, acontecido em Manaus,  foi levado em consideração os ferimentos da vítima, o estado das vestes, a localização do instrumento utilizado para produzir o ferimento, sinais de arrombamento, entre outros.

Hana contou que a investigação do caso, em um primeiro momento, colocava o marido da vítima como um dos suspeitos, já que não houve testemunhas. Portanto, o trabalho da perícia foi de extrema importância para que houvesse justiça. “Ao meu ver,  ao final nós conseguimos contribuir com a promoção da justiça ao realizar esse diagnóstico diferencial entre suicídio e homicídio”, lembrou a perita.

Crimes ambientais

Outro trabalho que também representará o Amazonas em Florianópolis é o da perita Laura Bernardes, que trata de “Irregularidades no transporte de madeira na região metropolita de Manaus”. A pesquisa é fruto de um trabalho de quatro anos de coleta de dados e análises. Segundo a autora do trabalho, o transporte irregular de madeira é um dos crimes ambientais mais recorrentes, e são responsáveis pela maior demanda do Setor de Crimes Ambientais.

“Sou Engenheira Florestal e trabalho no Setor de Crimes Ambientais. Como o transporte irregular ocorre com frequência, o objetivo é identificar as principais irregularidades e auxiliar na definição de programas de prevenção junto aos outros órgãos de defesa do meio ambiente”, explicou a perita. Laura quer aproveitar o congresso para trocar experiências com outros profissionais e identificar formas de aperfeiçoar as perícias no Estado.

Apoio sindical

Além de Laura, Cícero e Hana, também apresentarão trabalhos acadêmicos no Congresso os peritos Adilson de Jesus, Eduardo Rodrigues, Najara Marinho, Christian Gama, João Francisco, Milton Bianchini, Margareth Vidal, Fabiano Vargas, Francivaldo Versiani, Marcelo Neves, Rodrigo Amorim, Daniel Dutra, Delson Tavares, Michelly de Cristo, Fábio Vidal, Diana Gorayeb e Alessandra Silva. Todos os trabalhos receberam apoio financeiro do Sindicato dos Peritos Oficiais do Amazonas (SINPOEAM) para participação no evento.

De acordo com a presidente do sindicato, o apoio a produção científica é uma política adotada pela gestão do SINPOEAM, e que pretende possibilitar a participação de peritos em eventos importantes para o setor, e a produção de trabalhos desenvolvidos no Amazonas em publicações nacionais e internacionais voltadas para o público científico. 

“Uma das funções do SINPOEAM é incentivar a atualização constante dosperitos, facilitando a participação em eventos de criminalistica e, principalmente,  estimulando a produção científica. O corpo técnico da perícia criminal do Departamento de Polícia Técnico Científica é formado por profissionais altamente qualificados e especializados, e com o apoio do SINPOEAM, produziram trabalhos científicos que foram aceitos e serão apresentados no principal Congresso da Área Criminal do Brasil", afirmou Fernanda.

*Com informações da assessoria de comunicação.

Publicidade
Publicidade