Quarta-feira, 17 de Julho de 2019
Notícias

Pesquisa constrói ranking das ocupações com maiores e menores ganhos salariais

Produzido pelos técnicos de planejamento e pesquisa do Ipea, o trabalho se apoiou nos dados mensais fornecidos pelo Caged do MTE



1.jpg Boletim lançado pelo Ipea analisa salários e emprego entre 2009 e 2012
04/07/2013 às 09:20

A Diretoria de Estudos e Políticas Setoriais de Inovação, Regulação e Infraestrutura (Diset) do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou nesta quarta-feira (03) o mapeamento sobre as ocupações de nível técnico e superior que mais geraram empregos e tiveram os maiores ganhos salariais entre os anos de 2009 e 2012 em todo o país.

Produzido pelos técnicos de planejamento e pesquisa do Ipea, o trabalho se apoiou nos dados mensais fornecidos pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). As profissões consideradas na pesquisa foram extraídas das famílias ocupacionais da Classificação Brasileira de Ocupações (CBO).

No período analisado, foi gerado, no Brasil, um total de 402.490 postos de trabalho para técnicos de nível médio. As oito carreiras que mais geraram vagas foram responsáveis, em conjunto, por três em cada quatro contratações de técnicos, entre 2009 e 2012.

A área da ciência da saúde humana – técnicos e auxiliares de enfermagem, técnicos em próteses ou em imobilizações ortopédicas, técnicos em odontologia, técnicos em óptica e em optometria e tecnólogos e técnicos em terapias complementares e estéticas – foi a que mais viu expandir as oportunidades de emprego. A cada 100 novos empregos para técnicos de nível médio, entre 24 e 25 foram preenchidos por essa categoria.

Já para formações de nível superior, foram gerados, no período, um total de 304.317 postos de trabalho. Desses, 16,3% empregaram analistas de tecnologia da informação, profissão que registrou a maior expansão em termos de geração líquida de empregos.

A segunda ocupação de nível superior que mais teve postos de trabalho criados foi a de enfermeiros (as) e afins: 9 a cada 100 contratações foi para esse tipo de profissional. Entre as carreiras profissionais que mais geraram postos de trabalho no Brasil, entre janeiro de 2009 e dezembro de 2012, a de analista da tecnologia da informação foi a que mais gerou emprego, quase 50 mil postos de trabalho. As áreas de relações públicas, publicidade, mercados e negócios, também obtiveram um bom desempenho, com a abertura de mais de 20 mil postos de trabalho. A lista segue com a área de secretários e executivos e afins com pouco mais de 14 mil novas ocupações. O setor farmacêutico gerou 13 mil novos postos e administradores e engenheiros civis, ambos com geração de 11 mil postos de empregos no País.

Atividades com maiores ganhos

A pesquisa do Ipea aponta ainda,  que entre as ocupações com maiores ganhos salariais ao longo do período, predominam aquelas típicas do setor público, além de médicos, algumas especializações de engenharia e arquitetura, pesquisadores em engenharia e em ciências da agricultura e algumas especializações de professores do ensino superior.

Para o nível técnico, as ocupações que registraram maiores ganhos de remuneração foram os técnicos em operação de câmara fotográfica, de cinema e de televisão (com aumento real de 51,1% nos salários), os técnicos de inspeção, fiscalização e coordenação administrativa (aumento de 41,6%) e os técnicos em laboratório (29,3%).

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.