Quarta-feira, 24 de Julho de 2019
Notícias

PF cumpre mandados em 6 estados em operação que é um desdobramento da Lava Jato

Polícia conseguiu documentos e provas testemunhais contra empresas e pessoas que também teriam participado do esquema criminoso



1.jpg Mandados são cumpridos simultaneamente no Paraná, Maranhão, Rio de Janeiro, Minas Gerais, São Paulo, Goiás e no Distrito Federal
26/02/2016 às 08:44

Agentes da Polícia Federal (PF) começaram a cumprir nesta sexta-feira (26) mandados judiciais em seis estados e no Distrito Federal pela Operação Recebedor, que investiga desdobramentos de fatos apurados na Operação Lava Jato.

Segundo nota da assessoria de imprensa da PF, as investigações partiram de informações colhidas em acordo de leniência e delação premiada de um dos investigados da Lava Jato. O informante forneceu documentos e provas testemunhais contra empresas e pessoas que também teriam participado do esquema criminoso.

A PF executa sete mandados de condução coercitiva (quando a pessoa é levada para prestar depoimento e depois liberada) e 44 mandados de busca, que estão sendo cumpridos simultaneamente nos estados do Paraná, Maranhão, Rio de Janeiro, de Minas Gerais, São Paulo, Goiás e no Distrito Federal. Membros do Ministério Público Federal em Goiás participam dos trabalhos.

De acordo com o texto, as buscas visam a colher provas do pagamento de propina para a construção das ferrovias Norte-Sul e Integração Leste-Oeste, bem como da prática de cartel e lavagem de dinheiro ilícito obtido por meio do superfaturamento de obras públicas.

Somente no estado de Goiás, foi detectado desvio de mais de R$ 630 milhões, considerando-se somente os trechos executados na construção da Ferrovia Norte-Sul.

De acordo com as investigações, as empreiteiras faziam pagamentos regulares, por meio de contratos simulados a um escritório de advocacia e a mais duas empresas sediadas em Goiás, que eram utilizadas como fachada para maquiar a origem lícita do dinheiro, proveniente de fraudes em licitações públicas.

Todos os investigados responderão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A operação será detalhada em entrevista, às 10h, na sede da Superintendência da Polícia Federal em Goiânia.

O nome da operação é uma referência à defesa apresentada por um dos investigados em apuração anterior chamada Caso Trem Pagador. Nela, os advogados alegaram que se o trem era pagador, o alvo não tinha sido o recebedor.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.