Sábado, 25 de Maio de 2019
INVESTIGAÇÕES

Pilotos de avião da Chape cogitaram parar para reabastecer na Colômbia

Gravações da cabine mostram que pilotos pensaram em parar em Letícia ou Bogotá, mas acabaram tomando decisão que levou à queda do avião



chape00.jpg
Acidente matou 71 pessoas e apenas 6 sobreviveram
26/12/2016 às 16:02

Investigações  feitas pela Aeronáutica Civil Colombiana (Aerocivil) apontaram que os pilotos do avião da empresa Lamia, que levava a Chapecoense para a final da Copa Sulamericana, chegaram a cogitar um reabastecimento quando entraram em espaço aéreo colombiano.

A aeronave caiu justamente por falta de combustível, matando 71 pessoas.

O  secretário de segurança da Aerocivil, Fredy Bonilla, afirmou, nesta segunda-feira, em entrevista coletiva, que os pilotos chegaram a discutir se tinham dinheiro suficiente para colocar combustível extra para seguir viagem.

"Dentro das comunicações, no voice recorder (aparelho que grava as conversas na cabine do piloto)... Estavam a tripulação, a aeronave, ingressando no espaço aéreo colombiano e havia a possibilidade de parar em Bogotá. Eles estabelecem que têm dinheiro suficiente para pagar os serviços que requeriam para reabastecer de combustível", disse o secretário da Aerocivil. 

Segundo ele, os pilotos cogitaram também parar em Letícia, que fica na fronteira com Tabatinga, no Amazonas, mas acabaram optando por não parar, mesmo com o avião estando no limite de combustível.

Segundo a autoridade, se os pilotos tivessem parado, e fosse constatada a falta de combustível, a Lamia sofreria sanções por parte do governo colombiano.

Nas investigações, a Aerocivil constatou que o avião estava com o peso acima da capacidade  e também possuía um plano de voo irregular, visto que a autonomia de voo e a distância entre Santa Cruz de la Sierra e  Medelin eram as mesmas.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.