Publicidade
Cotidiano
LAVA JATO

Planalto admite que Temer viajou em jatinho particular com a família em 2011

O voo está no diário de bordo do avião particular do executivo Joesley Batista, um dos donos da empresa JBS e delator da Lava Jato 07/06/2017 às 16:23
Show vpr ensaiosolotemerflickr  02232015 2
Foto: Agência Brasil
Lisandra Paraguassu (Reuters) Brasília (DF)

O Palácio do Planalto admitiu nesta quarta-feira (7), em nota, que o presidente Michel Temer usou uma “aeronave particular” para uma viagem a Comandatuba (BA) com sua família, em janeiro de 2011, ainda como vice-presidente, mas que não pagou por ela nem sabia a quem pertencia.

O voo está no diário de bordo do avião particular do executivo Joesley Batista, um dos donos da empresa JBS e delator na Operação Lava Jato, entregue a procuradores para confirmar a relação próxima com Temer que Joesley alegou em sua delação premiada.

"O então vice-presidente Michel Temer utilizou aeronave particular no dia 12 de janeiro de 2011 para levar sua família de São Paulo a Comandatuba, deslocando-se em seguida a Brasília, onde manteve agenda normal no gabinete. A família retornou a São Paulo no dia 14, usando o mesmo meio de transporte. O vice-presidente não sabia a quem pertencia a aeronave e não fez pagamento pelo serviço" diz a nota distribuída pela assessoria de imprensa da Presidência da República.

Na noite de terça-feira (6), quando foram publicadas as primeiras informações de que o presidente e sua família teriam viajado a Comandatuba no avião particular de Joesley, o Planalto negou que Temer tenha sequer ido a Comandatuba naquela mês.

Em nota a jornalistas que pediram um posicionamento do governo, o Planalto informou que "o então vice-presidente Michel Temer não foi a Comandatuba em janeiro de 2011". Teria ido apenas em abril, para um evento do grupo Lide, usando um avião da FAB. Em janeiro, informou o Planalto, Temer teria ido apenas a Porto Alegre, também em um voo da FAB.

No diário de bordo está descrita uma viagem de São Paulo a Comandatuba em 12 de janeiro daquele ano em que os passageiros aparecem como "família Sr. Michel Temer". Dois dias depois, o avião buscou a família do presidente em um resort em Comandatuba, e os deixou no aeroporto de Congonhas, em São Paulo.

Publicidade
Publicidade