Publicidade
Cotidiano
REDE DE APOIO

Poder Público deverá criar rede de apoio no combate a crimes de internet

Além dos vereadores, participaram da reunião, representantes da Semed, Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos e conselheiros tutelares da capital 07/05/2017 às 16:58
Show crimes de internet
acritica.com Manaus (AM)

A criação de uma rede de apoio com a elaboração de políticas públicas para contribuir no enfrentamento a crimes na internet  que vitimizam crianças e adolescentes em Manaus estão entre as propostas apresentadas por representantes de órgãos públicos para combater jogos virtuais que levam jovens a automutilação e até ao suicídio.

O debate sobre o tema ocorreu em reunião realizada na Câmara Municipal de Manaus (CMM) a pedido do presidente da Comissão de Serviço Público da Casa, vereador Professor Gedeão Amorim (PMDB). Além dos vereadores, participaram da reunião, representantes da Secretaria Municipal de Educação (Semed), Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (Semasdh) e conselheiros tutelares da capital.

Gedeão Amorim destacou que o assunto deve ser amplamente discutido com as autoridades e órgãos responsáveis no sentido de criar uma rede de apoio de combate aos crimes virtuais que estão vitimizando os jovens de Manaus. “Temos pela frente um desafio. Vamos reunir na semana na próxima com as comissões responsáveis pelo tema, para buscar consistência das ações do poder público municipal, sem deixar de lado os órgãos estaduais que também cuidam dessa questão”.

Quem também apoio a criação da rede de apoio foi o coordenador Geral do Conselho Tutelar de Manaus, Álvaro Reis. “A rede de apoio é importante para combatermos todo tipo de violência, principalmente, as trazidas pela internet, além de acompanhamento psicossocial”, disse ele.

A psicóloga Cassandra Torres, do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas)  é outra especialista no assunto que entende que uma das formas de amenizar todos esses problemas e ajudar as vítimas será  o trabalho intersetorial envolvendo todos os entes públicos.

Ela afirmou que é preciso delinear estratégias que oportunizem à sociedade espaços para os jovens encontrem valorização de suas potencialidades, valorização de suas ideias e suas próprias angustias. “São essas questões que os tornam vulneráveis a esses fenômenos criados na internet, na comunidade em que vivem como o uso de droga, envolvimento sexual, entre outros canais nocivos”, disse Cassandra.

Depressão

De acordo com relatos dos conselheiros tutelares, problemas como a automutilação já vem ocorrendo há muito tempo entre crianças e, principalmente, entre os adolescentes. A truculência, segundo eles, ocorre por vários motivos, os mais relevantes, são decorrentes da vulnerabilidade no meio em que se encontram os adolescentes, como a da falta de acompanhamento familiar, em situações que a vítima se sente menosprezada perante a sociedade, se tornando vulneráveis a ameaças via internet, como o jogo “Baleia Azul”.

Segundo o coordenador do Conselho Tutelar da Zona Sul 1, Daniel Evangelista, é grande o número de crianças e jovens com depressão e que não querem retornar ao seio familiar. Além disso, os adolescentes estão, cada vez mais cedo, começando a vida sexual.

“Isso é outro problema que também leva a depressão. Professores e direção escolar já começam a trabalhar essas questões, e sempre frisamos nas nossas palestras e orientações a responsabilidade dos pais. A escola faz a sua parte, mas é preciso que a família tenha a sua responsabilidade”, frisou Daniel.

Entre os que, também, participaram da reunião, estão os vereadores Bessa (PHS), Marcel Alexandre (PMDB), vereadora Therezinha Ruiz (DEM) e representantes de escolas particulares de Manaus.

*Com informações da assessoria de comunicação.

Publicidade
Publicidade