Sexta-feira, 18 de Outubro de 2019
NAS MÃOS DO MP

Polícia recomenda não indiciar Neymar em inquérito por acusação de estupro

Agora o Ministério Público tem 15 dias para decidir se seguirá a recomendação da polícia ou se irá apresentar denúncia contra o jogador



hudsahuahaau_515D5BE2-3365-40F9-8F43-39CEF20ED7CD.jpg Foto: Reprodução
30/07/2019 às 13:10

A Polícia Civil de São Paulo informou nesta terça-feira (30) que recomendou o não indiciamento do atacante Neymar no caso em que uma modelo o acusou de estupro. Neymar sempre negou a acusação e, como parte de sua resposta pública à acusação, divulgou conversas particulares e fotos íntimas da mulher. Essa divulgação levou a um inquérito policial separado sobre suposto crime de divulgação de imagens íntimas na internet.

De acordo com o boletim de ocorrência do caso visto pela Reuters em junho, a mulher que acusa Neymar afirmou ter conhecido o jogador pelas redes sociais e que Neymar pagou para que ela viajasse e se hospedasse em um hotel de Paris, onde o crime teria sido cometido, no dia 15 de maio.

A assessoria de imprensa de Neymar não tinha um posicionamento de imediato sobre a decisão da polícia. Agora o Ministério Público tem 15 dias para decidir se seguirá a recomendação da polícia ou se irá apresentar denúncia contra o jogador de qualquer maneira, embora geralmente os procuradores acatem a recomendação da polícia.

Acusação



A acusação de estupro ocorreu enquanto Neymar se preparava para disputar a Copa América pela seleção brasileira. Uma lesão sofrida pelo jogador o retirou do torneio realizado no Brasil e vencido pelos anfitriões. O atacante também ficou de fora do treinamento de pré-temporada de seu clube, o Paris Saint-Germain. Neymar provocou especulações de um retorno ao Barcelona este mês depois de compartilhar um vídeo nas redes sociais vestindo uma camisa de seu ex-clube.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.