Publicidade
Cotidiano
Notícias

Policiais de Maués acusados por vários crimes estão foragidos

Delegado de Polícia, dois investigadores, um escrivão e dois ‘colaboradores’ tiveram a prisão preventiva decretada 02/11/2013 às 09:47
Show 1
Grupo foi denunciado por moradores do município
Jéssica Vasconcelos ---

O delegado de Polícia do Município de Maués (a 268 quilômetros de Manaus), Mário Sérgio Leite de Melo, os investigadores Fabrício Negreiros do Couto Martins, Jacob dos Santos Moraes e o escrivão Francisco Sullivam Régis Marinho estão com a prisão preventiva decretada desde a última terça-feira. Eles são acusados de crimes de tortura, homicídio tentado, lesão corporal de natureza gravíssima, abuso de autoridade, peculato, prevaricação, usurpação da função pública, omissão de socorro e formação de quadrilha. Além dos policiais, também estão sendo investigados José Carlos Saunier Barbosa e Kedison de Oliveira Barbosa, o “Biro-Biro”, que faziam parte do grupo como colaboradores.

Segundo a promotora de Justiça do município, Yara Marinho, desde que assumiu o cargo no início do ano moradores da cidade fizeram diversas denúncias ao Ministério Público do Estado (MPE-AM) acusando os policiais principalmente de abuso de autoridade e tortura contra presos.

De acordo com a promotora, as denúncias foram se intensificando e o Ministério Público pediu que a Corregedoria do Sistema de Segurança Pública investigasse o caso.

Segundo a corregedoria, as irregularidades encontradas em vários inquéritos policiais e flagrantes lavrados pelo delegado de Maués, juntamente com as denúncias de tortura de preso nas dependências da delegacia e depoimentos, resultaram em sete inquéritos instaurados, cinco Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCO) e vários procedimentos administrativos.

A promotora acrescentou ainda que o homem conhecido como “Biro Biro”, que atuava como colaborador, não é policial, mas andava armado e agia como tal, impondo respeito e medo na cidade. De acordo com os moradores, o homem seria traficante de drogas.

O documento enviado ao secretário de Segurança Pública do Estado, Roberto Vital, indica que o delegado Mário Melo e o colaborador Biro-Biro estão no Careiro Castanho, o colaborador Saunier estaria em Manaus e o restante da quadrilha em Itacoatiara.

De acordo com o despacho do juiz Jorsenildo Dourado, todos os crimes que a organização criminosa é acusada foram praticados dentro do 48º Distrito Integrado de Polícia, no Município de Maués.

O delegado geral da Polícia Civil, Josué Rocha, informou que os mandados de prisão foram encaminhados para o diretor de Departamento de Interior, mas até o momento os acusados não foram presos. “Os policiais foram até os locais onde eles estariam trabalhando, mas nenhum foi encontrado”, disse Josué Rocha.

Publicidade
Publicidade