Publicidade
Cotidiano
Notícias

Policiais procuram no interior dois envolvidos na morte do sargento Afonso Camacho

Seis pessoas já foram presas e a Polícia Civil pretende apresentar hoje (6) os suspeitos de matar o policial em um 'saidinha de banco' 06/08/2015 às 00:00
Show 1
O sargento da Policia Militar Afonso Camacho Dias, 44, foi morto durante uma troca de tiros, ao reagir a um assalto em uma agência bancária, na Zona Sul
Fábio Oliveira e Kamyla Gomes Manaus (AM)

Policiais da Delegacia Especializada em Roubos, Furtos e Defraudações (Derfd) e do Departamento de Repreensão do Contra o Crime Organizado (DRCO), prenderam, na tarde de ontem (5), seis pessoas envolvidas na morte do sargento Afonso Camacho Dias - morto na tarde do dia 17 de julho em um estacionamento do Banco Bradesco, do bairro Educandos, Zona Sul de Manaus, durante um assalto. Até o fechamento desta edição, mais duas eram procuradas. Dos presos, cinco são homens e uma mulher. As buscas, agora, se concentram no interior.

A prisão foi confirmada oficialmente pela Polícia Civil (PC). A assessoria da PC, porém, não deu mais detalhes das prisões. A CRÍTICA apurou que seis pessoas foram presas e que parte do grupo estava no interior. Outras informações serão repassadas hoje.

MORTE VIOLENTA

Na época, foi divulgado que três homens em fuga mataram o sargento com três tiros logo após o assalto. Eles levaram R$ 60 mil do policial. O Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops) informou que o sargento, que estava de folga, fazia o transporte de valores para uma empresa no dia. O sargento trabalhava em uma escola da PM no bairro Grande Vitória, Zona Norte da capital.

Informações deram conta de que dois homens e uma mulher, ainda não identificados, eram os principais suspeitos do homicídio, mas com a prisão de cinco pessoas aumenta o mistério sobre a morte do sargento. 

O veículo de placas e modelo não identificado foi localizado minutos depois por policiais da Força Tática. O carro foi encaminhado para o 2° Distrito Integrado de Polícia (DIP).  

A morte do sargento foi filmada por uma pessoa de dentro do carro, e as imagens ganharam as redes sociais imediatamente. Desde então a polícia trabalha para esclarecer o crime

Onda de homicídios

Após a morte do sargento, uma onda de homicídios assustou a população da cidade de Manaus. Pelo menos 22 pessoas morreram entre a noite de sexta-feira (17), dia do homicídio do sargento, e a manhã do sábado (18). Os crimes foram cometidos em todas as zonas da capital. O secretário de Segurança Pública do Amazonas, Sérgio Fontes, chegou a declarar para a imprensa que achava o número elevado de mortes uma estranha coincidência. No domingo foram registradas mais mortes, totalizando 35 até a segunda-feira, dois dias após o assassinato do sargento.

Publicidade
Publicidade