Segunda-feira, 20 de Janeiro de 2020
FATALIDADE

Policial morre em acidente de lancha; prefeito de Manaquiri era um dos passageiros

Embarcação voltava de Manacapuru para Manaquiri, na noite deste sábado, quando bateu em um banco de areia. Policial teve trauma craniano e não resistiu



WhatsApp_Image_2018-08-19_at_17.24.40_3D0137F2-7E99-4F49-B713-8DB745350EF9.jpeg
19/08/2018 às 17:36

O Prefeito de Manaquiri, Jair Souto, passa bem depois de sofrer um acidente no rio Solimões, na noite deste sábado (18), quando retornava em uma pequena lancha de Manacapuru à Manaquiri, município a 156 quilômetros de Manaus. A embarcação bateu em um banco de areia, que surgiu em virtude da vazante do rio, na altura da Boca do Barroso. O policial Edvaldo Guedes, um dos quatro ocupantes da lancha na ocasião, faleceu em consequência de um trauma craniano causado pelo choque da batida.

Por conta da morte de Edvaldo, a Prefeitura de Manaquiri determinou ponto facultativo nesta segunda-feira, além de decretar luto oficial por três dias. 



A Marinha do Brasil informou que está acompanhando o acidente, por meio do Comando do 9º Distrito Naval (Com9ºDN). De acordo com o Com9ºDN, assim que tomou conhecimento da ocorrência, a equipe de Inspeção Naval da Capitania Fluvial da Amazônia Ocidental (CFAOC) iniciou apuração das informações para o inquérito, que visa identificar as causas, circunstâncias e responsabilidades do acidente.

Segundo informações da Prefeitura de Manaquiri, estavam na embarcação, além de Souto e Guedes, o investigador Manoel Bastos e o barqueiro Carlos, que estavam em uma missão policial na área e de retorno ao município, quando foram contatados pelo prefeito, que aproveitou para retornar à Manaquiri. De acordo com a Prefeitura de Manaquiri, o investigador e o barqueiro passam bem. 

O Conselho Regional de Técnicos em Radiologia 19 Região (CRTR 19 - AM/RR) lamentou a morte de Edvaldo Guedes, que também era profissional da área. “Aos familiares e amigos, nossos sentimentos. Que Deus o receba em um ótimo lugar”, afirmou em nota de pesar.


Mais de Acritica.com

20 Jan
trans_8C3DB8BB-BCF9-43E8-B068-3BED79D3DBF5.JPG

Mutirão retifica nomes e assegura identidade de travestis e transsexuais

20/01/2020 às 20:27

Como o procedimento feito diretamente no cartório não é tão simples (a lista de documentos exigidos é extensa) e nem sempre é barato (custa em média entre R$350 a R$ 400), a ação visa não somente facilitar a vida das pessoas transexuais que desejam alterar o nome e gênero de registro em sua documentação de nascimento, como também vai acompanhar e custear a certidão de tabelionato de protestos


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.