Segunda-feira, 14 de Outubro de 2019
Notícias

Polo Industrial de Manaus demitiu mais de 27 mil trabalhadores em 2014

Uma média de 74  demissões foram homologadas  por dia, no ano passado. Samsung foi a que mais dispensou



1.jpg A Samsung foi a empresa que mais demitiu, segundo o levantamento. O Sindmetal aponta a alta rotatividade e o cenário econômico como os principais motivos
03/02/2015 às 21:38

Fábricas do Polo Industrial de Manaus (PIM) demitiram 27,03 mil trabalhadores em 2014. O número é do Sindicato dos Metalúrgicos do Amazonas (Sindmetal-AM), e aponta para um crescimento de 17,6%  no total de desligamentos registrados no órgão em relação ao ano anterior, quando 22,97 mil demissões foram anotadas. Significa dizer que, em média, 74 contratos de trabalho foram encerrados por dia no parque fabril de Manaus, no ano passado.

Conforme o Sindmetal-AM, do total de homologações anotadas, a Samsung foi a empresa que mais desligou funcionários no ano passado. Foram 1.577 desligamentos, com 251 homologados apenas em dezembro. O número total  representa 311 demissões a mais frente a 2013 (+24,57%).

Em segundo lugar no ranking está a Moto Honda, com 1.337 demissões contra as 1.111 homologações do ano anterior (+20,34%) e em terceiro, a Digibras, com 1.325 e que em 2013 não constava na lista das dez empresas que mais demitiram.

As outras empresas apontadas pelo levantamento foram a Digiboard, em quarto lugar com 1.324 homologações, a Philco com 1.266, a Salcomp e a Britânia com 984 e 860 desligamentos, respectivamente. Também figuraram na lista a Flex (-819 funcionários) a LG (-731) e a Envision (-629).

Para o presidente do sindicato, Valdemir Santana, o número deixa claro duas situações. A primeira é o cenário econômico de instabilidade que afeta investimentos e causa impacto na produção e na geração de empregos. A segunda, diz respeito às situações vividas por cada empresa. “Em 2014, a Digiboard e a Philco tiveram um desempenho no mercado abaixo do esperado e não puderem manter o nível de funcionários”, apontou.

Segundo ele, a Moto Honda – a segunda que mais demitiu – enfrentou os reflexos da crise de financiamento que continua a ‘assombrar’ o setor e a Samsung, mesmo sendo a primeira da lista, manteve um bom nível de contratações. “Eles demitem, mas também contratam.

Samsung

De acordo com Santana, o problema, no caso da Samsung, é que a rotatividade de funcionários impulsiona o número de homologações. “Os trabalhadores da produção  têm, em média, 22 anos, e trabalham em torno de seis meses antes de serem demitidos. Por isso, o nível de rotatividade  chega a 30%, quando o ideal é entre 5% e 7%. Precisamos trabalhar juntos para fixar esses trabalhadores por mais tempo”, argumentou.

Questionada por  ACRÍTICA, a Samsung, por meio de assessoria, informou que tem mantido o seu quadro de funcionários estável.

Análise: Nelson Azevedo, Vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam)

 “Os números  são reflexo da situação econômica do País e do clima de incerteza que provoca uma reação em cadeia, com queda dos investimentos, da produção, das vendas e da capacidade das empresas de manter o quadro de funcionários. Aliás, manter este nível de empregabilidade está pesando cada vez mais nas planilhas de custo das fábricas. Elas se esforçam. Dão férias coletivas, fazem rodízios, antecipam férias, mas as iniciativas nem sempre bastam. Não temos os números fechados do saldo de empregos (diferença entre contratações e de demissões), mas já podemos arriscar que se em 2013 o PIM encerrou o ano com 125 mil trabalhadores, mais ou menos, em 2014, este número deve girar em torno de 119 mil aproximadamente, um saldo negativo de seis mil empregos entre um ano e outro. Mas vamos nos manter otimistas. Este ano  será difícil para a indústria, mas também ideal para colocar a casa em ordem e preparar o terreno para 2016”.

Menos demissões em 2015

Para o Sindmetal- AM, o número pode ser ainda maior. “Nem todas as demissões são homologadas no sindicato, o que significa que o total de desligamentos pode ser ainda maior”, alertou Santana.

Para ele, a expectativa é de que 2015 seja um ano com menos demissões, mas a redução do índice está atrelada a mudanças vindas do governo federal. “Precisaremos de um cenário mais estável e também de incentivos, como os que estamos pleiteando para a fabricação de condicionadores de ar e de TVs. Se conseguirmos, podemos retomar o caminho do crescimento”, apostou.

Em números

27.036 Trabalhadores do PIM  tiveram suas demissões homologadas pelo Sindmetal-AM em 2014. O número é 17,6% superior ao total de demissões computadas em 2013, que foi de 22.975.

 6 Mil  é o saldo negativo que representantes da indústria esperam para a geração de empregos no setor em 2014, entre admitidos e demitidos. Os dados oficiais ainda serão divulgados pelo Caged e pela Suframa.

1.577 Trabalhadores a menos. Este foi o total de postos de trabalho eliminado pela Samsung no ano passado. A empresa desligou 311 pessoas a mais do que em 2013 e liderou o ranking das fábricas que mais demitiram em 2014.

Saldo negativo

Embora o volume represente apenas os desligamentos homologados no Sindicato dos Metalúrgicos do Amazonas (Sindmetal-AM), sem considerar as contratações nos setores, dirigentes ligados à indústria local apostam em um saldo negativo de seis mil empregos no ano, aproximadamente, entre admitidos e demitidos.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.