Sexta-feira, 15 de Novembro de 2019
Notícias

Possíveis falhas em processo de investigação da morte de soldado serão verificadas

Casa Civil encaminhou à Corregedoria da SSP-AM uma solicitação para verificar possíveis falhas durante a apuração do IPM



1.jpg Três meses depois, morte da soldado Deusiane da Silva permanece sem explicação
16/07/2015 às 10:03

Após apontar supostas divergências no Inquérito Policial Militar (IMP) que investiga a morte da soldado do Batalhão Ambiental Deusiane da Silva Pinheiro, 26, o governo do Estado, por meio da Casa Civil, encaminhou nesta semana para a Corregedoria Geral do Sistema de Segurança Pública (SSP-AM) uma solicitação para abertura de procedimento para verificar possíveis falhas ocorridas durante a apuração do IPM. A informação foi confirmada pelo corregedor-geral, delegado federal Leandro Almada.

De acordo com Almada, os documentos enviados pela advogada da família de Deusiane, Martha Gonzales, ainda não foram analisados por ele. “Eu recebi essa semana, mas ainda não olhei o expediente. Assim que eu analisar e verificar que houve erros durante os procedimentos adotados durante o IPM, eu irei encaminhar ao corregedor da Polícia Militar para que instaure uma sindicância para apurar essas possíveis falhas”, explicou.



Caso encaminhado

Segundo a advogada da família, Martha Gonzales, a solicitação foi encaminhada para o gabinete do Governo do Estado no dia 22 de junho. Ela explicou que o IPM apontou diversas irregularidades durante a investigação e que por isso resolveu entrar com a solicitação. Conforme Gonzales, o inquérito aponta, no mínimo, cinco falhas em alguns procedimentos adotados durante o processo de investigação.

“Existem muitas falhas no IPM, entre elas está o fato das pistolas que foram trocadas. Durante o crime era uma pistola com uma numeração e a que foi encaminhada para a perícia foi com outra numeração”, explicou. Além destas, Gonzales também apontou irregularidades no dia do crime.

Informação

Segundo a advogada, a oficial responsável no dia do crime, capitã Priscila, recebeu a notícia 17h30, porém o Ciops só foi informado da ocorrência uma hora depois.

Crime

A policial militar do Batalhão Ambiental, Deusiane da Silva Pinheiro, 26, encontrada morta com um tiro na cabeça na noite do dia 2 de abril deste ano, em uma base fluvial da Polícia Militar, no bairro Tarumã, na Zona Oeste.

Suspeito

 A mãe da vítima, Antônia Assunção da Silva, 49, revelou também que a filha teria deixado um bilhete informando que se aparecesse morta, os responsáveis seriam o ex-namorado e a esposa dele. 



Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.